Book: Git e Github



Git e Github

Git e Github

© Casa do Código

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº9.610, de

10/02/1998.

Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, nem transmitida, sem

autorização prévia por escrito da editora, sejam quais forem os meios:

fotográficos, eletrônicos, mecânicos, gravação ou quaisquer outros.

Casa do Código

Livros para o programador

Rua Vergueiro, 3185 - 8º andar

04101-300 – Vila Mariana – São Paulo – SP – Brasil

Casa do Código

Sumário

Sumário

1

Introdução

1

1.1

Mantendo o histórico do código . . . . . . . . . . . . . . . . .

1

1.2

Trabalhando em equipe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

2

1.3

Sistemas de controle de versão . . . . . . . . . . . . . . . . . .

2

1.4

Controle de versão rápido e confiável com Git . . . . . . . . .

3

1.5

Hospedando código no GitHub . . . . . . . . . . . . . . . . .

3

1.6

O processo de escrita desse livro . . . . . . . . . . . . . . . . .

4

2

Tour prático

5

2.1

Instalando e configurando o Git . . . . . . . . . . . . . . . . .

5

2.2

Criando um arquivo texto para versionarmos . . . . . . . . .

7

2.3

Versionando seu código com Git . . . . . . . . . . . . . . . .

8

2.4

Compartilhando seu código através do GitHub . . . . . . . .

12

3

Trabalhando com repositório local

19

3.1

Criando um repositório local . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

20

3.2

Rastreando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

22

3.3

Gravando arquivos no repositório . . . . . . . . . . . . . . . .

29

3.4

Verificando o histórico do seu repositório . . . . . . . . . . .

36

3.5

Verificando mudanças nos arquivos rastreados . . . . . . . .

39

3.6

Removendo arquivos do repositório . . . . . . . . . . . . . . .

47

3.7

Renomeando e movendo arquivos . . . . . . . . . . . . . . . .

49

3.8

Desfazendo mudanças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

52

i

Sumário

Casa do Código

4

Trabalhando com repositório remoto

61

4.1

Repositório remoto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

62

4.2

Adicionando o repositório remoto . . . . . . . . . . . . . . .

63

4.3

Enviando commits para o repositório remoto . . . . . . . . .

65

4.4

Clonando o repositório remoto . . . . . . . . . . . . . . . . .

66

4.5

Sincronizando o repositório local . . . . . . . . . . . . . . . .

67

4.6

Protocolos suportados pelo Git . . . . . . . . . . . . . . . . .

68

5

Hospedando o repositório no GitHub

71

5.1

Serviços de hospedagem de projetos . . . . . . . . . . . . . .

72

5.2

GitHub: a rede social dos desenvolvedores . . . . . . . . . . .

72

5.3

Encontrando projetos e visualizando o código-fonte . . . . .

74

5.4

Criando um usuário no GitHub . . . . . . . . . . . . . . . . .

80

5.5

Criando o repositório do projeto . . . . . . . . . . . . . . . .

83

5.6

Enviando os commits do projeto para o GitHub . . . . . . . .

85

5.7

Clonando o repositório hospedado no GitHub . . . . . . . .

86

5.8

Colaborando com projetos open source . . . . . . . . . . . .

87

6

Organizando o trabalho com branches

93

6.1

A branch master . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

94

6.2

Criando uma branch . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

96

6.3

Trocando de branch . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

98

6.4

Deletando uma branch . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

100

6.5

Comitando código em uma nova branch . . . . . . . . . . . .

101

6.6

Voltando para o master e fazendo uma alteração . . . . . . .

103

6.7

Mesclando alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

105

7

Trabalhando em equipe com branches remotas

113

7.1

Branches remotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

114

7.2

Compartilhando branches . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

116

7.3

Obtendo novas branches remotas em outros repositórios . .

118

7.4

Enviando commits para o repositório central . . . . . . . . .

121

7.5

Obtendo commits de uma branch remota . . . . . . . . . . .

123

7.6

Mesclando branches remotas e locais . . . . . . . . . . . . . .

127

7.7

Deletando branches remotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

133

ii

Casa do Código

Sumário

8

Controlando versões do código com tags

137

8.1

Criando, listando e deletando tags . . . . . . . . . . . . . . . .

138

8.2

Mais informações com tags anotadas . . . . . . . . . . . . . .

139

8.3

Compartilhando tags com a sua equipe . . . . . . . . . . . . .

140

9

Lidando com conflitos

143

9.1

Mesclando mudanças em um mesmo arquivo sem conflitos .

144

9.2

Conflitos após um merge com mudanças em um mesmo ar-

quivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

146

9.3

Resolvendo conflitos após um rebase . . . . . . . . . . . . . .

150

9.4

Usando uma ferramenta para resolver conflitos . . . . . . . .

152

10 Maneiras de trabalhar com Git

157

10.1 Utilizando só a branch master com um repositório central .

159

10.2 Utilizando branches por funcionalidade com um repositório

central . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

162

10.3 Utilizando branches por etapa de desenvolvimento com um

repositório central . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

167

10.4 Colaborando com projetos open source com Fork e Pull Request 173

10.5 Organizando projetos open source gigantescos com Ditador

e Tenentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

175

11 Apêndice GitHub no Windows

179

11.1

Instalando o GitHub for Windows . . . . . . . . . . . . . . . .

180

11.2 Criando um novo repositório . . . . . . . . . . . . . . . . . .

186

11.3

Efetuando commits no repositório . . . . . . . . . . . . . . .

188

11.4 Detalhando os commits . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

190

11.5

Enviando o repositório para o GitHub . . . . . . . . . . . . .

193

11.6 Trabalhando com branches . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

195

iii

Capítulo 1

Introdução

1.1

Mantendo o histórico do código

Vida de programador não é fácil. Há sempre uma pressão por entregas rápidas

de novas funcionalidades. Mas, apesar da pressa, é necessário prestar atenção no que estamos fazendo, mesmo se a alteração for pequena. Ao mexermos

em um código existente é importante tomarmos cuidado para não quebrar o

que já funciona.

Por isso, queremos mexer o mínimo possível no código. Temos medo

de remover código obsoleto, não utilizado ou até mesmo comentado, mesmo

que mantê-lo já nem faça sentido. Não é incomum no mercado vermos código

funcional acompanhado de centenas de linhas de código comentado.

Sem dúvida, é interessante manter o histórico do código dos projetos,

para entendermos como chegamos até ali. Mas manter esse histórico junto

ao código atual, com o decorrer do tempo, deixa nossos projetos confusos,

1.2. Trabalhando em equipe

Casa do Código

poluídos com trechos e comentários que poderiam ser excluídos sem afetar o

funcionamento do sistema.

Seria bom se houvesse uma maneira de navegarmos pelo código do pas-

sado, como uma máquina do tempo para código...

1.2

Trabalhando em equipe

Mas, mesmo que tivéssemos essa máquina do tempo, temos outro problema:

muito raramente trabalhamos sozinhos.

Construir um sistema em equipe é um grande desafio. Nosso código tem

que se integrar de maneira transparente e sem emendas com o código de todos

os outros membros da nossa equipe.

Como podemos detectar que estamos alterando o mesmo código que um

colega? Como mesclar as alterações que fizemos com a demais alterações da

equipe? E como identificar conflitos entre essas alterações? Fazer isso ma-

nualmente, com cadernetas ou planilhas e muita conversa, parece trabalhoso

demais e bastante suscetível a erros e esquecimentos.

Seria bom que tivéssemos um robô de integração de código, que fizesse todo esse trabalho automaticamente...

1.3

Sistemas de controle de versão

Existem ferramentas que funcionam como máquinas do tempo e robôs de integração para o seu código. Elas nos permitem acompanhar as alterações desde as versões mais antigas. Também é possível detectar e mesclar alterações nos

mesmos arquivos, além de identificar conflitos, tudo de maneira automática.

Essas ferramentas são chamadas de sistemas de controle de versão.

Nesse tipo de ferramenta, há um repositório que nos permite obter qualquer versão já existente do código. Sempre que quisermos controlar as versões de algum arquivo, temos que informar que queremos rastreá-lo no repositó-

rio. A cada mudança que desejamos efetivar, devemos armazenar as altera-

ções nesse repositório.

Alterações nos mesmos arquivos são mescladas de maneira automática

sempre que possível. Já possíveis conflitos são identificados a cada vez que

obtemos as mudanças dos nossos colegas de time.

2

Casa do Código

Capítulo 1. Introdução

Desde a década de 1990, existe esse tipo de ferramenta. Alguns exemplos

de sistemas de controle de versão mais antigos são CVS, ClearCase, Source-

Safe e SVN (que ainda é bastante usado nas empresas).

Em meados da década de 2000, surgiram sistemas de controle de versão

mais modernos, mais rápidos e confiáveis, como Mercurial, Bazaar e, é claro,

Git.

1.4

Controle de versão rápido e confiável com

Git

O Git é um sistema de controle de versão que, pela sua estrutura interna, é uma máquina do tempo extremamente rápida e é um robô de integração bem

competente.

Foi criado em 2005 por Linus Torvalds, o mesmo criador do Linux, que

estava descontente com o BitKeeper, o sistema de controle de versão utilizado no desenvolvimento do kernel do Linux.

Hoje em dia, além do kernel do Linux, a ferramenta é utilizada em diversos outros projetos de código aberto. O Git também é bastante utilizado em

empresas em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Atualmente, conhecer bem como utilizar o Git é uma habilidade impor-

tante para uma carreira bem-sucedida no desenvolvimento de software.

1.5

Hospedando código no GitHub

Em 2008, foi criado o GitHub, uma aplicação Web que possibilita a hospeda-

gem de repositórios Git, além de servir como uma rede social para progra-

madores.

Diversos projetos de código aberto importantes são hospedados no

GitHub como jQuery, Node.js, Ruby On Rails, Jenkins, Spring, JUnit e muitos

outros.

3

1.6. O processo de escrita desse livro

Casa do Código

1.6

O processo de escrita desse livro

A utilização do Git não é restrita apenas ao desenvolvimento de software, muitos administradores de rede, por exemplo, utilizam o Git para manter o his-

tórico de evolução de arquivos de configurações em servidores.

Acreditem, até mesmo a escrita desse livro foi feita utilizando o Git!

Não apenas esse, mas todos os livros da editora Casa do Código utili-

zam o Git como ferramenta de controle de versão, para manter o histórico de

evolução dos capítulos. O GitHub também é utilizado para hospedagem dos

repositórios dos livros.

4

Capítulo 2

Tour prático

Neste capítulo, faremos um tour bem prático sobre como usar o Git para versionar nossos projetos. Não se preocupe com o significado dos comandos.

No decorrer do livro, todos os comandos usados aqui serão explicados com

profundidade.

2.1

Instalando e configurando o Git

Antes de utilizarmos o Git, é fundamental instalá-lo. Escolha a seguir o Sis-

tema Operacional apropriado e mãos à obra!

Instalando no Windows

Acesse a seguinte URL, faça o download e instale a última versão dispo-

nível: http://msysgit.github.io/

2.1. Instalando e configurando o Git

Casa do Código

A instalação é bastante simples. Escolha as opções padrão.

Serão instalados alguns programas, sendo o mais importante o Git Bash,

que permite que o Git seja executado pela linha de comando no Windows.

Dê duplo clique no ícone do Git Bash e será aberto um terminal, com o

seguinte prompt na linha de comando:

$

Esse prompt será seu amigo a partir de agora. Não tenha medo! Sempre

que falarmos de terminal, estaremos falando do Git Bash.

Instalando no Mac

Baixe a última versão do instalador gráfico do Git para Mac OS X a partir

do link: https://code.google.com/p/git-osx-installer/downloads

Abra um terminal e prepare-se para utilizar o Git!

Instalando no Linux

Para instalar o Git no Ubuntu, ou em uma outra distribuição baseada em

Debian, execute em um terminal:

$ sudo apt-get install git

No Fedora, utilize:

$ sudo yum install git

Para as demais distribuições do Linux, veja o comando em: http://

git-scm.com/download/linux

Configurações básicas

É importante nos identificarmos para o Git, informando nosso nome e

e-mail. Em um terminal, execute os comandos a seguir:

$ git config --global user.name "Fulano da Silva"

$ git config --global user.email [email protected]

Claro, utilize seu nome e e-mail!

6

Casa do Código

Capítulo 2. Tour prático

A linha de comando

A maneira mais comum de usar Git é pela linha de comando, acessível

através de um terminal. É o jeito que a maior parte dos bons profissionais

do mercado utiliza o Git e será nossa escolha nesse livro.

GitHub for Windows

A maioria dos usuários do Windows não tem o hábito de utilizar o

prompt de comandos, e perfere instalar alguma aplicação visual para tra-

balhar com o Git.

Uma destas aplicações é o GitHub for Windows, e mostraremos

como utilizá-la no capítulo 11.

2.2

Criando um arquivo texto para versionar-

mos

Antes de utilizarmos o Git, vamos criar na sua pasta pessoal, um diretório chamado citacoes com um arquivo filmes.txt.

Dentro do arquivo filmes.txt, coloque o seguinte conteúdo:

"Não há certezas, apenas oportunidades." (V de Vingança)

"Diga ’olá’ para meu pequeno amigo!" (Scarface)

7

2.3. Versionando seu código com Git

Casa do Código

Pasta pessoal

A pasta pessoal ( ou home directory, em inglês) é o local dos arquivos de usuário como documentos, fotos, músicas etc.

Se você não souber onde é a pasta pessoal, digite o seguinte comando

em um terminal:

$ echo ~

No Windows Vista, 7 ou 8, será algo como C:\Users\Fulano\ ou,

no Git Bash, /c/Users/Fulano/.

No Windows 2000, XP ou 2003, será algo como C:\Documents

and Settings\Fulano\ ou, no Git Bash,

/c/Documents and

Settings/Fulano.

No Linux, será /home/fulano e no Mac OS X /Users/Fulano.

2.3

Versionando seu código com Git

Criando um repositório

Abra um terminal e vá até o diretório citacoes.

$ cd ~/citacoes

Para transformar o diretório atual em um repositório do Git, basta exe-

cutar o comando git init:

$ git init

Deverá aparecer uma mensagem semelhante à seguinte:

Initialized empty Git repository in /home/fulano/citacoes/.git/

Pronto, o projeto já é um repositório Git vazio.

Observe que foi criada uma pasta oculta com o nome .git.

8

Casa do Código

Capítulo 2. Tour prático

Rastreando o arquivo

Mas e o arquivo filmes.txt? Será que já está versionado?

Podemos ver a situação dos arquivos no repositório Git com o comando:

git status

A saída deverá ser algo como:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

filmes.txt

nothing added to commit but untracked files present (use

"git add" to track)

Observe a mensagem anterior: ela indica que o arquivo filmes.txt

ainda não foi rastreado pelo Git.

Para que o arquivo seja rastreado, devemos executar o seguinte comando:

git add filmes.txt

Agora, se executarmos git status novamente, teremos a seguinte

saída:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

filmes.txt

#

9

2.3. Versionando seu código com Git

Casa do Código

Gravando o arquivo no repositório

O resultado anterior mostra que o conteúdo do arquivo filmes.txt já

está sendo rastreado pelo Git, mas ainda não foi gravado (ou comitado, em uma linguagem mais técnica) no repositório.

Para gravarmos as mudanças no repositório, devemos executar o co-

mando:

git commit -m "Arquivo inicial de citacoes"

Observe que foi invocado o comando git commit, com a opção -m

para informar a mensagem do commit.

Deve ter aparecido algo como a seguinte mensagem:

[master (root-commit) 8666888] Arquivo inicial de citacoes

1 file changed, 2 insertions(+)

create mode 100111 filmes.txt

Se executarmos git status novamente, teremos:

# On branch master

nothing to commit, working directory clean

Alterando o arquivo

Insira mais uma linha no arquivo filmes.txt, com o conteúdo:

"Hasta la vista, baby." (Exterminador do Futuro 2)

Depois disso, se executarmos git status novamente, podemos obser-

var que há uma nova mudança para ser rastreada:

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

#

(use "git checkout -- <file>..." to discard changes in

working directory)

#

#

modified:

filmes.txt

#

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

10

Casa do Código

Capítulo 2. Tour prático

Rastreando e gravando as alterações no repositório

Para rastrearmos a modificação, devemos executar o comando git add

novamente:

git add filmes.txt

Com a modificação rastreada, podemos gravá-la no repositório, com o

comando git commit:

git commit -m "Inserindo nova citacao"

Devemos ter uma resposta parecida com:

[master 7878787] Inserindo nova citacao

1 file changed, 1 insertion(+)

Verificando alterações realizadas

Para verificar o histórico das alterações gravadas no repositório, podemos

executar o comando git log:

$ git log

A saída será parecida com:

commit 7878787000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Fri Apr 11 21:21:31 2014 -0300

Inserindo nova citacao

commit 8666888000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Fri Apr 11 21:21:31 2014 -0300

Arquivo inicial de citacoes

Pronto! Temos um repositório criado com as alterações no arquivo

filmes.txt devidamente gravadas. Mas e agora?

11

Git e Github

2.4. Compartilhando seu código através do GitHub

Casa do Código

2.4

Compartilhando seu código através do

GitHub

Para que o mundo possa descobrir nosso incrível projeto, temos que

compartilhá-lo na internet. Para isso, utilizaremos uma aplicação web cha-

mada GitHub.

Criando uma conta no GitHub

O primeiro passo é criar uma conta no GitHub. Para projetos de código

aberto, não há custo nenhum! Com um navegador, acesse: https://github.

com/

Preencha seu nome, e-mail e escolha uma senha.

Figura 2.1: Criando conta no GitHub

Então, selecione o plano apropriado e finalize o cadastro, clicando em

Finish Signup.

12

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 2. Tour prático

Figura 2.2: Selecionando plano no GitHub

Se necessário, verifique o e-mail.

Criando um repositório no GitHub

Agora podemos criar um repositório remoto, que ficará disponível para

todos da internet. Para isso, clique no botão New Repository após acessar: https://github.com/

13

Git e Github

Git e Github

2.4. Compartilhando seu código através do GitHub

Casa do Código

Figura 2.3: Novo repositório no GitHub

No Repository name, devemos preencher o nome do repositório remoto.

No nosso caso, vamos preencher com “citacoes”. Deixe o repositório como

Public, para que qualquer pessoa consiga ver o seu código. As demais opções podem ficar com os valores padrão. Finalmente, devemos clicar em Create

repository.

Figura 2.4: Criando repositório no GitHub

Pronto, já foi criado um repositório vazio lá no GitHub.

14

Casa do Código

Capítulo 2. Tour prático

Apontando seu projeto para o GitHub

Devemos agora apontar o repositório da nossa máquina para o repositó-

rio do GitHub.

Em um terminal, certifique-se de estar no diretório citacoes, que tem

o repositório local:

$ cd ~/citacoes

Então, execute o comando git remote, conforme o que segue:

$ git remote add origin https://github.com/fulanodasilva/

citacoes.git

Não deixe de alterar fulanodasilva para o seu usuário do GitHub.

Não deve aparecer nenhuma mensagem.

Com o comando anterior, apontamos o nome origin para o repositório

lá do GitHub.

Enviando as alterações para o GitHub

Com o repositório remoto configurado, podemos enviar nossas mudan-

ças para o GitHub e, por consequência, para todo o mundo.

Para isso, basta executar o comando git push, da seguinte forma:

$ git push origin master

Com o comando anterior, enviamos as alterações para o repositório re-

moto configurado com o nome origin.

Forneça seu usuário e senha do GitHub quando solicitado. Deverá apa-

recer algo semelhante à seguinte saída:

Username for ’https://github.com’: fulanodasilva

Password for ’https://[email protected]’:

Counting objects: 6, done.

Delta compression using up to 4 threads.

Compressing objects: 100% (4/4), done.

Writing objects: 100% (6/6), 609 bytes | 0 bytes/s, done.

Total 6 (delta 1), reused 0 (delta 0)

To https://github.com/fulanodasilva/citacoes.git

* [new branch]

master -> master

15

Git e Github

Git e Github

2.4. Compartilhando seu código através do GitHub

Casa do Código

Vá até a página do seu projeto no GitHub:

https://github.com/

fulanodasilva/citacoes

Figura 2.5: Página do projeto no GitHub

Observe que o arquivo que você enviou já está disponível para qualquer

pessoa da internet. Avise seu primo, sua vizinha, todo mundo!

É possível ver todas as alterações no projeto até agora (no caso, fo-

ram duas), através do endereço: https://github.com/fulanodasilva/citacoes/

commits/master

Figura 2.6: Listando alterações gravadas no GitHub

Se clicarmos na última alteração, por exemplo, é possível ver as mudanças

que foram feitas. Fascinante, não?

16

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 2. Tour prático

Figura 2.7: Detalhando uma alteração gravada no GitHub

Obtendo projeto do GitHub

Com o projeto no GitHub, qualquer um pode acessar o código e ver o

histórico, mesmo sem uma conta. Se a pessoa tiver cadastrada no GitHub,

será possível baixar o código.

Vamos simular isso, baixando o código em outro diretório do seu com-

putador.

Na sua pasta pessoal, crie um diretório chamado projetos_git. Então,

o acesse pelo terminal:

$ cd ~/projetos_git

Para obter o código do projeto lá do GitHub, execute o comando git

clone conforme o seguinte:

git clone https://github.com/fulanodasilva/citacoes.git

Não esqueça de alterar fulanodasilva para o seu usuário do GitHub.

Deverá aparecer algo como:

Cloning into ’citacoes’...

remote: Counting objects: 6, done.

remote: Compressing objects: 100% (3/3), done.

remote: Total 6 (delta 1), reused 6 (delta 1)

Unpacking objects: 100% (6/6), done.

Checking connectivity... done

17

2.4. Compartilhando seu código através do GitHub

Casa do Código

Observe no diretório projetos_git que foi criado um subdiretório

chamado citacoes. Dentro desse subdiretório há o arquivo filmes.txt,

com exatamente o mesmo conteúdo lá do GitHub.

Há também um diretório oculto chamado .git, revelando que temos

uma cópia do repositório original.

Vá até o subdiretório citacoes, executando o comando:

$ cd citacoes

Podemos executar o comando git log nesse novo repositório:

$ git log

Teremos a mesma saída de antes:

commit 7878787000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Fri Apr 11 21:21:31 2014 -0300

Inserindo nova citacao

commit 8666888000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Fri Apr 11 21:21:31 2014 -0300

Arquivo inicial de citacoes

Se você tiver outro computador, faça o clone nele. Não se esqueça de

instalar o Git, seguindo os passos do início deste capítulo.

Git e GitHub são a mesma coisa?

Não. Git é o sistema de controle de versões, com o qual interagimos

na linha de comando. Já o GitHub é uma rede social para programadores

que disponibiliza repositórios Git acessíveis remotamente. O GitHub é

muito utilizado para projetos open source que possuem vários colabora-

dores do mundo todo. Mais adiante aprofundaremos em ambos.

18

Capítulo 3

Trabalhando com repositório

local

A empresa Móveis Ecológicos nos contratou para fazer a página da empresa

na web. Conversamos com o dono da empresa, discutimos sobre o conteúdo

básico e criamos um HTML simples.

Apresentamos o resultado e nosso cliente pediu para colocarmos a página

no ar. Logo o fizemos: diversão e lucro!

Porém, a diretora de relações públicas da empresa não gostou do texto.

Pediu para alterarmos para um texto bem maior e com mais cara de press

release. Fizemos as alterações e publicamos.

Depois de algum tempo, o dono da empresa notou o site modificado e nos

contatou para voltarmos com a versão anterior. Acontece que esquecemos de

fazer backup do arquivo. Até tentamos usar um recuperador de arquivos ou

3.1. Criando um repositório local

Casa do Código

lembrar o conteúdo de cabeça, mas não tivemos sucesso. E agora?

Com muita relutância, entramos em contato com o dono da empresa pe-

dindo que o texto fosse dito novamente por telefone. Depois de alguns mi-

nutos de xingamentos e de quase perdermos o contrato, conseguimos o texto

mais uma vez.

Poxa vida... Devíamos ter mantido o texto antigo comentado na página...

Mas com tantas mudanças, em pouco tempo teríamos mais comentários do

que código de fato.

Se tivéssemos utilizado um sistema de controle de versão como o Git, te-

ríamos uma máquina do tempo para o nosso código. Aí, nossa vida seria mais

fácil.

3.1

Criando um repositório local

Vamos dizer que, na nossa pasta pessoal, temos um diretório chamado

moveis, com o arquivo index.html contendo o seguinte conteúdo:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8" />

<meta name="description" content="Móveis ecológicos">

<meta name="keywords" content="moveis ecologicos">

</head>

<body>

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<ul>

<li>Móveis de garrafas PET</li>

<li>Móveis de latinhas de alumínio</li>

<li>Móveis de papelão</li>

</ul>

</body>

</html>

Antes de tudo, vamos entrar no diretório moveis, com o comando cd

~/moveis.

Para criar um repositório Git nesse diretório, basta executarmos:

20

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

$ git init

Teremos a saída:

Initialized empty Git repository in /home/fulano/moveis/.git/

A mensagem anterior indica que transformamos o diretório moveis em

um repositório Git.

Se listarmos os arquivos do diretório moveis com o comando ls -lha,

teremos uma resposta semelhante ao que segue:

total 36K

drwxr-xr-x

3 fulano fulano 4,0K Abr 15 21:30 .

drwx------ 58 fulano fulano

16K Abr 15 21:27 ..

drwxr-xr-x

7 fulano fulano 4,0K Abr 15 21:30 .git

-rw-r--r--

1 fulano fulano

405 Abr 15 21:27 index.html

Observem que foi criado um subdiretório oculto chamado .git na pasta

moveis. Esse subdiretório é um repositório do Git completo, que conterá

todo o histórico de alterações dos arquivos, entre outras coisas.

Podemos executar git init moveis se quisermos criar um dire-

tório vazio que já é um repositório Git, ou seja, que já possui o .git.

No caso de termos outros subdiretórios como js para armazenar código

Javascript e css para armazenar arquivos CSS, todas as informações desses

arquivos serão armazenadas no mesmo .git.

Se por algum motivo quisermos parar de usar o Git, basta remover esse

único diretório .git.

Basta o comando git init para criar um repositório com Git, que

já cria localmente um repositório completo. Isso é bem mais simples que

diversos outros sistemas de controle de versão, como o SVN, que preci-

savam da configuração de um servidor.

21

3.2. Rastreando arquivos

Casa do Código

3.2

Rastreando arquivos

Para verificarmos o estado atual do nosso repositório, devemos executar o

comando:

$ git status

Deve aparecer uma resposta parecida com:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

index.html

nothing added to commit but untracked files present (use

"git add" to track)

Note que o arquivo index.html ainda não está sendo rastreado (está

em Untracked files).

Para informar ao Git que o arquivo index.html deve ser rastreado, uti-

lizamos o comando:

$ git add index.html

Pronto! Agora o Git sabe que esse arquivo é importante e as mudanças

devem ser rastreadas.

Se executarmos novamente git status, teremos a seguinte saída:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

index.html

#

22

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Observe que o Git agora passou a rastrear o arquivo index.html e está

pronto para gravar esse arquivo no repositório ( Changes to be committed).

Rastreando vários arquivos

Vamos dizer que criamos um arquivo

estilos.css no diretório

moveis, com o seguinte conteúdo:

h1 {

font-family: sans-serif;

}

li {

font-family: monospace;

}

Também criamos um subdiretório

imagens com um arquivo

logo.png, com uma imagem semelhante a: IUUQQJYBCBZDPNTUBUJDVQMPBET

QIPUPTFUUFF@QOH

Se executarmos git status, teremos:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

index.html

#

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

estilos.css

#

imagens/

Observe que o arquivo estilos.css e o diretório imagens ainda não



estão sendo rastreados ( Untracked files).

Se quisermos rastrear todos esses arquivos, será que teremos que executar

git add um por um?

23

3.2. Rastreando arquivos

Casa do Código

Na verdade, não! Podemos rastrear todos esses arquivos de uma vez só

com o comando:

$ git add .

O ponto do comando anterior representa todos os arquivos não rastreados do diretório atual e também de todos os seus subdiretórios.

Agora, ao executarmos git status, veremos que todos os arquivos

estão sendo rastreados:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

estilos.css

#

new file:

imagens/logo.png

#

new file:

index.html

#

Se quiséssemos ter rastreado apenas os arquivos do subdiretório

imagens, por exemplo, poderíamos ter executado o comando git add

imagens.

A área de stage

Quando informamos para o Git que queremos rastrear um arquivo, exe-

cutando git add pela primeira vez, o Git coloca esse arquivo em uma área

especial do repositório, chamada de stage.

Uma vez que um arquivo está na área de stage, todas as mudanças nesse

arquivo passam a ser examinadas.

O diretório que contém nossos arquivos é chamado de diretório de

trabalho ou working directory, em inglês.

24

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Vamos modificar o arquivo index.html, inserindo uma referência ao

CSS criado anteriormente:

<!-- início do arquivo ... -->

<head>

<!-- tags meta ... -->

<link rel="stylesheet" href="estilos.css">

</head>

<!-- restante do arquivo ... -->

A saída do git status será:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

estilos.css

#

new file:

imagens/logo.png

#

new file:

index.html

#

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

#

(use "git checkout -- <file>..." to discard changes in

working directory)

#

#

modified:

index.html

#

Note que o index.html continua aparecendo como um novo arquivo

rastreado ( new file em Changes to be committed), indicando que ele está sendo rastreado e pronto para ser gravado.

Mas observe que o arquivo index.html aparece mais uma vez, sob

Changes not staged for commit, como modificado ( modified).

Isso acontece porque, uma vez que um arquivo passa a ser rastreado pelo

Git, depois de colocá-lo na área de stage com o comando git add, cada

25

Git e Github

3.2. Rastreando arquivos

Casa do Código

mudança nesse arquivo é rastreada e também deve ser colocada na área de

stage.

Para colocarmos as últimas mudanças que fizemos no arquivo

index.html na área de stage, devemos executar novamente:

$ git add index.html

Depois disso, ao executarmos git status, teremos:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

estilos.css

#

new file:

imagens/logo.png

#

new file:

index.html

#

Agora, tanto o arquivo original como as últimas mudanças estão prontas

para serem gravadas no repositório.

Uma representação gráfica das transições entre o diretório de trabalho e

a área de stage seria:

Figura 3.1: Rastreando arquivos e mudanças com Git

26

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Ignorando arquivos

Suponha que temos um arquivo todo.txt que mantemos, durante o

desenvolvimento, com a lista das tarefas do dia. Suponha também que temos

um subdiretório chamado tmp, com alguns arquivos temporários gerados ao

manipularmos imagens. Não faz sentido manter o histórico de ambos no Git.

Se executarmos git status, o arquivo todo.txt e o subdiretório

tmp serão mostrados como arquivos ainda não rastreados:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

estilos.css

#

new file:

imagens/logo.png

#

new file:

index.html

#

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

tmp/

#

todo.txt

Será que teremos sempre que lembrar de evitar o git add desses ar-

quivos? Se for assim, não poderemos mais utilizar git add ., já que esse

comando rastreia todos os arquivos.

Para resolver isso, o Git tem um mecanismo que permite ignorarmos ar-

quivos. Basta criarmos um arquivo chamado .gitignore no diretório prin-

cipal do nosso projeto, com os nomes dos arquivos que queremos ignorar.

No nosso caso, devemos criar um arquivo chamado .gitignore no

diretório moveis, com o seguinte conteúdo:

todo.txt

tmp/

27

3.2. Rastreando arquivos

Casa do Código

Dessa maneira, o arquivo todo.txt e o subdiretório tmp não serão

mostrados ao executarmos o comando git status:

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

estilos.css

#

new file:

imagens/logo.png

#

new file:

index.html

#

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

.gitignore

Observe, porém, que o arquivo .gitignore apareceu como não rastre-

ado. É importante que esse arquivo seja rastreado, porque evoluirá junto com

o repositório. Por isso, ao criar o .gitignore, não esqueça de adicioná-lo

à área de stage com o comando:

$ git add .gitignore

Se quiséssemos ignorar todos os arquivos com a extensão .log, por

exemplo, colocaríamos *.log no .gitignore. Se quiséssemos igno-

rar todos os arquivos .bmp do subdiretório imagens, deveríamos inserir

imagens/*.bmp.

28

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Na prática, que tipo de arquivos são colocados no .gitignore? De-

pende da tecnologia utilizada no projeto.

Em projetos Java, arquivos .class, .jar e .war são exemplos

de arquivos que devem ser ignorados. Para projetos Ruby, ignoraríamos

arquivos .gem e o diretório pkg. Já para projetos Python, arquivos

.egg.

Há um projeto no GitHub com exemplos de arquivos .gitignore

para diversas linguagens de programação e tecnologias: https://github.

com/github/gitignore

3.3

Gravando arquivos no repositório

Os arquivos e alterações que foram colocados na área de stage através do co-

mando git add ainda não foram gravados no repositório. Ao invocarmos

o git status, podemos notar que esses arquivos estão prontos para serem

gravados ( Changes to be committed):

# On branch master

#

# Initial commit

#

# Changes to be committed:

#

(use "git rm --cached <file>..." to unstage)

#

#

new file:

.gitignore

#

new file:

estilos.css

#

new file:

imagens/logo.png

#

new file:

index.html

#

Para gravar esses arquivos e alterações definitivamente no repositório, de-

vemos utilizar o comando git commit:

$ git commit -m "Commit inicial"

Observe que passamos uma mensagem que descreve as alterações efetu-

adas, através da opção -m. Se não passássemos essa opção, seria aberto um

29

3.3. Gravando arquivos no repositório

Casa do Código

editor de texto para informarmos a mensagem.

No nosso caso, utilizamos a mensagem “Commit inicial”. É importante

que as mensagens descrevam de maneira sucinta as alterações que foram efe-

tuadas.

Depois de executado esse comando, deverá aparecer algo como:

[master (root-commit) 7777444] Commit inicial

4 files changed, 26 insertions(+)

create mode 100111 .gitignore

create mode 100111 estilos.css

create mode 100111 imagens/logo.png

create mode 100111 index.html

Note que, na primeira linha da saída apresentada, é exibido um código

logo antes da mensagem ( 7777444, no caso). Esse código serve como um

identificador do commit. Na verdade, foram exibidos apenas os primeiros 7

dígitos desse código, que contém 40 caracteres ao todo.

Mais especificamente, esse código é um número de verificação de in-

tegridade de dados ( checksum) criado a partir do conteúdo do arquivo

utilizando a função de hash SHA-1. Por utilizar SHA-1, é representado por um número hexadecimal de 40 dígitos.

Se verificarmos agora o estado do repositório com o comando git

status, teremos:

# On branch master

nothing to commit, working directory clean

Observe que o não há nada mais a ser comitado.

O termo commit é comum em qualquer sistema controlador de versão

e significa gravar novos arquivos e alterações em arquivos existentes em

um repositório. Em português, os termos comitar ou comitado são bem corriqueiros, apesar de não existirem nos dicionários.

30

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Rastreando e comitando mudanças de uma só vez

Percebemos que havíamos esquecido de colocar o título na página

index.html. Vamos alterar o arquivo:

<!-- início do arquivo ... -->

<head>

<!-- tags meta e link ... -->

<title>Móveis Ecológicos</title>

</head>

<!-- restante do arquivo ... -->

Além disso, vamos diminuir o tamanho da página para ficar melhor

em dispositivos com telas pequenas.

Para isso, alteraremos o arquivo

estilos.css:

body {

width: 50%;

margin: auto;

}

/* resto do css */

Se executarmos git status, teremos:

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

#

(use "git checkout -- <file>..." to discard changes in

working directory)

#

#

modified:

estilos.css

#

modified:

index.html

#

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Note que os arquivos aparecem como modificados, mas a área de stage

ainda não contém as mudanças efetuadas ( Changes not staged for commit).

Poderíamos efetuar o git add dessas mudanças seguido do git

commit. Porém, é possível rastrear as mudanças e comitá-las de uma vez

com a opção -a:

31

3.3. Gravando arquivos no repositório

Casa do Código

$ git commit -a -m "Inserindo titulo e diminuindo tamanho da

pagina"

Teremos como resposta do comando anterior algo como:

[master 2299922] Inserindo titulo e diminuindo tamanho da pagina

2 files changed, 5 insertions(+)

A opção -a do comando git commit já efetua o rastreamento das mu-

danças, adicionando-as à área de stage. Poderíamos juntar as opções -a e

-m utilizando -am da seguinte maneira: git commit -am "Inserindo

titulo..."

Nesse ponto, a saída do comando git status indicará que não há mais

nada a ser comitado:

# On branch master

nothing to commit, working directory clean

Novos arquivos precisam de git add

Nosso cliente pediu que colocássemos uma mensagem na página que é

trocada automaticamente de tempos em tempos.

Para fazer isso, criamos um arquivo chamado principal.js, com o

seguinte conteúdo:

var banners =

["Os melhores do Brasil!", "Qualidade e preço baixo!"];

var bannerAtual = 0;

function trocaBanner() {

bannerAtual = (bannerAtual + 1) % 2;

document.querySelector(’h2#mensagem’).textContent =

banners[bannerAtual];

}

setInterval(trocaBanner, 2000);

Precisamos também adicionar o script anterior à nossa página

index.html, além de uma tag h2 que vai conter a mensagem:

32

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

<!-- início do arquivo ... -->

<head>

<!-- tags meta, link e title ... -->

<script src="principal.js"></script>

</head>

<body>

<!-- tag h1 ... -->

<h2 id="mensagem"></h2>

<!-- restante do arquivo ... -->

Ao executarmos o comando git status, teremos a saída:

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

# (use "git checkout -- <file>..." to discard changes in working directory)

#

#

modified:

index.html

#

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

principal.js

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Observe que é mostrada a modificação no arquivo index.html e tam-

bém o novo arquivo principal.js.

Vamos executar o comando para rastrear e comitar os arquivos de uma

vez só:

git commit -am "Script de troca de banner"

Na saída, teremos:

[master 9222999] Script de troca de banner

1 file changed, 2 insertions(+)

33

3.3. Gravando arquivos no repositório

Casa do Código

Qual será a resposta do git status? Será:

# On branch master

# Untracked files:

#

(use "git add <file>..." to include in what will be

committed)

#

#

principal.js

nothing added to commit but untracked files present (use

"git add" to track)

Observe que o git commit com a opção -a adicionou no stage ape-

nas as mudanças do arquivo que já estava sendo rastreado. O novo arquivo,

principal.js, não passou a ser rastreado.

Sempre que tivermos um arquivo novo, temos que utilizar o comando

git add, para que o Git passe a rastreá-lo. Só então poderemos comitá-lo.

Vamos lá:

$ git add principal.js

Após executarmos o git status, teremos:

# On branch master

# Changes to be committed:

#

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

#

#

new file:

principal.js

#

Agora podemos comitar o arquivo principal.js:

$ git commit -m "Inserindo arquivo principal.js"

Teremos uma saída parecida com:

[master 222cccc] Inserindo arquivo principal.js

1 file changed, 10 insertions(+)

create mode 100111 principal.js

Ao executarmos o comando git status, teremos:

34

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

# On branch master

nothing to commit, working directory clean

Agora sim! Tanto a alteração em index.html como o novo arquivo

principal.js estarão comitados no repositório.

Ao visualizarmos graficamente as transições entre o diretório de trabalho,

a área de stage e o repositório propriamente dito, teríamos algo como:

Figura 3.2: Gravando arquivos e mudanças com Git

Para saber mais: para que serve a área de stage?

O Git, ao contrário da maioria dos sistemas de controle de versão, possui

uma separação entre rastrear as mudanças, adicionando-as na área de stage

com o comando git add, e gravar as mudanças no repositório, com o co-

mando git commit.

Mas será que essa separação é útil? É sim!

Vamos dizer que estamos desenvolvendo um sistema que tem um mó-

dulo de estoque e um de vendas. Ao desenvolver uma nova funcionalidade,

modificamos quatro arquivos, sendo que dois são de estoque e dois são de

vendas.

Poderíamos, primeiramente, gravar as alterações feitas nos dois arquivos

de estoque, adicionando apenas esses dois à stage e comitando-os com uma

mensagem bem descritiva. Depois, faríamos o git add e git commit dos

arquivos de vendas, também com uma mensagem bem descritiva.

35

3.4. Verificando o histórico do seu repositório

Casa do Código

Ou seja, essa separação entre rastrear e gravar permite que as mudan-

ças que fizemos no código sejam agrupadas de maneira lógica. Dessa forma,

podemos montar commits menores, que farão mais sentido posterior ao re-

visarmos o histórico do projeto e ajudarão ao mesclarmos nossas mudanças

com as dos outros membros do nosso time.

3.4

Verificando o histórico do seu repositório

Para verificar o histórico das mudanças gravadas no repositório, ou seja, os

commits efetuados, devemos utilizar o comando:

$ git log

Após executar o comando anterior, teremos a seguinte saída:

commit 222cccc000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 21:21:31 2014 -0300

Inserindo arquivo principal.js

commit 9222999000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 21:21:33 2014 -0300

Script de troca de banner

commit 2299922000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 14:02:26 2014 -0300

Inserindo titulo e diminuindo tamanho da pagina

commit 7777444000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Tue Apr 29 21:21:31 2014 -0300

Commit inicial

36

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Observe que foram listadas as mensagens de todos os commits, junto ao

código correspondente, autor e data/hora em que foram efetuados.

Se quisermos mostrar apenas os dois últimos commits devemos utilizar a

opção -n:

$ git log -n 2

Após executar o comando anterior, teremos a seguinte saída:

commit 222cccc000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 21:21:31 2014 -0300

Inserindo arquivo principal.js

commit 9222999000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 21:21:33 2014 -0300

Script de troca de banner

Se quisermos um resumo bem conciso dos commits do nosso projeto,

podemos utilizar a opção --oneline:

$ git log --oneline

Será apresentado algo semelhante a:

222cccc Inserindo arquivo principal.js

9222999 Script de troca de banner

2299922 Inserindo titulo e diminuindo tamanho da pagina

7777444 Commit inicial

Podemos mostrar um resumo dos arquivos alterados, com o número de

linhas adicionadas e removidas, através da opção --stat.

$ git log --stat

A saída será algo como:

37

3.4. Verificando o histórico do seu repositório

Casa do Código

commit 222cccc000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 21:21:31 2014 -0300

Inserindo arquivo principal.js

principal.js | 10 ++++++++++

1 file changed, 10 insertions(+)

commit 9222999000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 21:21:33 2014 -0300

Script de troca de banner

index.html | 2 ++

1 file changed, 2 insertions(+)

commit 2299922000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Wed Apr 30 14:02:26 2014 -0300

Inserindo titulo e diminuindo tamanho da pagina

:

Podemos observar que foram mostrados os arquivos modificados e o nú-

mero de inserções.

Note também que o último caractere foi um dois pontos ( :). Ao apertar-

mos a tecla Enter, serão mostrados os resultados restantes.

estilos.css | 4 ++++

index.html

| 1 +

2 files changed, 5 insertions(+)

commit 7777444000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Tue Apr 29 21:21:31 2014 -0300

Commit inicial

38

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

.gitignore

|

3 +++

estilos.css

|

6 ++++++

imagens/logo.png | Bin 0 -> 15555 bytes

index.html

|

20 ++++++++++++++++++++

4 files changed, 29 insertions(+)

(END)

Para sairmos do resultados do git log, devemos apertar a tecla q.

Podemos também combinar as várias opções do comando git log. Por

exemplo, para mostrar um resumo das alterações dos últimos dois commits:

$ git log -n 2 --oneline --stat

Teremos a seguinte saída:

222cccc Inserindo arquivo principal.js

principal.js | 10 ++++++++++

1 file changed, 10 insertions(+)

9222999 Script de troca de banner

index.html | 2 ++

1 file changed, 2 insertions(+)

Qual a diferença entre os comandos git status e o git log?

O git status exibe arquivos que estão fora da área de stage, pron-

tos para serem adicionados, e arquivos que estão dentro da área de stage,

prontos para serem comitados.

Já o git log exibe o histórico das mudanças efetivamente gravadas

em um repositório. Ou seja, os commits efetuados.

3.5

Verificando mudanças nos arquivos rastre-

ados

Percebemos um bug no nosso código: ao abrirmos a página, não é mostrado nenhum banner. Para corrigir, devemos invocar a função trocaBanner

no evento onload da página, fazendo a seguinte mudança no arquivo

index.html:

39

3.5. Verificando mudanças nos arquivos rastreados

Casa do Código

<!-- início do arquivo ... -->

<body onload="trocaBanner();">

<!-- restante do arquivo ... -->

Depois de fazer essa alteração, ao invocarmos git status, teremos:

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

# (use "git checkout -- <file>..." to discard changes in working directory)

#

#

modified:

index.html

#

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Tudo conforme o esperado. É informado que o arquivo index.html

sofreu uma modificação.

Verificando mudanças ainda não rastreadas

Se quisermos revisar a modificação efetuada, verificando as diferenças en-

tre o arquivo alterado e o que foi comitado anteriormente, podemos usar o

comando:

$ git diff

Será mostrado algo como:

diff --git a/index.html b/index.html

index 7771111..0000000 100111

--- a/index.html

+++ b/index.html

@@ -8,7 +8,7 @@

<title>Móveis Ecológicos</title>

<script src="principal.js"></script>

</head>

-

<body>

+

<body onload="trocaBanner();">

40

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<h2 id="mensagem"></h2>

Observe que foi mostrada exatamente a mudança que fizemos anterior-

mente: a troca de <body> por <body onload="trocaBanner();">.

Quando tivermos alterações ainda não rastreadas em mais de um arquivo

e quisermos verificar o que mudamos em um arquivo específico, basta pas-

sarmos o nome desse arquivo como parâmetro. Por exemplo, para verificar-

mos as mudanças apenas no arquivo index.html, faríamos: git diff

index.html.

O git diff não poderá ser utilizado para arquivos novos, que ainda

não estão sendo rastreados pelo Git (ou seja, que ainda não tiveram o

primeiro git add executado).

Verificando mudanças rastreadas

Vamos adicionar as mudanças que fizemos à área de stage com o comando

git add index.html.

Se executarmos git diff novamente, não será mostrada nenhuma

saída. O comando git diff, quando usado sem parâmetros, mostra a di-

ferença entre os arquivos no diretório de trabalho e a área de stage. Portanto, serve apenas para exibir as mudanças ainda não rastreadas.

É possível mostrar as diferenças entre os arquivos na área de stage e a

última versão que foi comitada utilizando a opção --staged:

$ git diff --staged

Será exibida uma saída exatamente igual à anterior, já que a alteração ape-

nas passou para a área de stage mas continua a mesma:

diff --git a/index.html b/index.html

index 7771111..0000000 100111

--- a/index.html

+++ b/index.html

@@ -8,7 +8,7 @@

41

3.5. Verificando mudanças nos arquivos rastreados

Casa do Código

<title>Móveis Ecológicos</title>

<script src="principal.js"></script>

</head>

-

<body>

+

<body onload="trocaBanner();">

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<h2 id="mensagem"></h2>

Antes da versão 1.6.1 do Git, só havia a opção --cached, que tem o

mesmo efeito da opção --staged.

Verificando mudanças rastreadas e não rastreadas ao mesmo

tempo

Vamos diminuir o tempo de troca do banner para um segundo alterando

o arquivo principal.js:

//inicio do arquivo...

setInterval(trocaBanner, 1000);

Nesse ponto, temos duas alterações.

Uma delas foi no arquivo

index.html que já está na área de stage. Também temos uma alteração no

arquivo principal.js ainda não rastreada. Isso pode ser verificado com

o comando git status:

# On branch master

# Changes to be committed:

#

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

#

#

modified:

index.html

#

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

# (use "git checkout -- <file>..." to discard changes in working directory)

#

#

modified:

principal.js

#

42

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Se executarmos o comando git diff, veremos apenas a alteração no

arquivo principal.js:

diff --git a/principal.js b/principal.js

index 4111114..0000000 100111

--- a/principal.js

+++ b/principal.js

@@ -6,5 +6,5 @@ function trocaBanner() {

document.querySelector(’h2#mensagem’).textContent =

banners[bannerAtual];

}

-setInterval(trocaBanner, 2000);

+setInterval(trocaBanner, 1000);

Já ao executarmos o comando git diff --staged, veremos apenas a

alteração no arquivo index.html, que já verificamos anteriormente.

Será que é possível exibir tanto as alterações fora da área de stage como as de dentro?

Sim! Para isso, precisamos descobrir o código do último commit. Po-

demos fazer isso com o comando git log -n 1 --oneline. Teremos a

saída:

222cccc Inserindo arquivo principal.js

Com o código do último commit em mãos, agora podemos mostrar as

alterações dentro e fora da stage utilizando o comando:

$ git diff 222cccc

Serão exibidas ambas as alterações:

diff --git a/index.html b/index.html

index 7771111..0000000 100111

--- a/index.html

+++ b/index.html

@@ -8,7 +8,7 @@

<title>Móveis Ecológicos</title>

<script src="principal.js"></script>

43

3.5. Verificando mudanças nos arquivos rastreados

Casa do Código

</head>

-

<body>

+

<body onload="trocaBanner();">

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<h2 id="mensagem"></h2>

diff --git a/principal.js b/principal.js

index 9999988..0000000 100111

--- a/principal.js

+++ b/principal.js

@@ -6,5 +6,5 @@ function trocaBanner() {

document.querySelector(’h2#mensagem’).textContent =

banners[bannerAtual];

}

-setInterval(trocaBanner, 2000);

+setInterval(trocaBanner, 1000);

:

Como o resultado é extenso, será mostrado o caractere dois pontos ( :).

Para irmos para os próximos resultados devemos pressionar a tecla Enter.

Para sairmos, devemos apertar a tecla q.

No nosso caso, teríamos a mesma saída anterior, que mostra as alte-

rações dentro e fora do stage, utilizando o comando git diff HEAD.

Isso acontece porque, no nosso caso, HEAD está apontado para o úl-

timo commit efetuado.

Porém, não é sempre assim, já que o HEAD pode apontar para com-

mits anteriores.

Verificando mudanças já comitadas

Vamos comitar nossas modificações em

index.html com o co-

mando git commit -m "Banner ao abrir pagina". Será exibido

algo como:

[master 4000004] Banner ao abrir a pagina

1 file changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

44

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Também precisamos comitar as alterações em principal.js, que

ainda não está na área de stage. Para isso, utilizaremos a opção -a: git

commit -am "Diminuindo intervalo de troca de banner". Te-

remos na saída algo como:

[master 8877887] Diminuindo intervalo de troca de banner

1 file changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

Então, vamos mostrar os três últimos commits de maneira concisa através

do comando git log -n 3 --oneline. A saída será semelhante a:

8877887 Diminuindo intervalo de troca de banner

4000004 Banner ao abrir a pagina

222cccc Inserindo arquivo principal.js

Agora não temos nenhuma alteração não comitada. Ufa!

Podemos usar o comando git diff para verificar as diferenças entre

dois commits específicos. Para comparar o que foi alterado no nosso último

commit em relação aos dois anteriores, devemos utilizar o git diff pas-

sando os códigos desses commits:

$ git diff 222cccc..8877887

Observe que passamos o código dos commits separados por ponto-ponto

( ..). Podemos ler o comado anterior como: “mostre as mudanças efetuadas

a partir do commit 842d2cf até o commit 8aa07bd”.

A resposta desse comando mostrará as alterações que acabamos de gravar

no repositório:

diff --git a/index.html b/index.html

index 7771111..0000000 100111

--- a/index.html

+++ b/index.html

@@ -8,7 +8,7 @@

<title>Móveis Ecológicos</title>

<script src="principal.js"></script>

</head>

-

<body>

+

<body onload="trocaBanner();">

45

3.5. Verificando mudanças nos arquivos rastreados

Casa do Código

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<h2 id="mensagem"></h2>

diff --git a/principal.js b/principal.js

index 4111114..0000000 100111

--- a/principal.js

+++ b/principal.js

@@ -6,5 +6,5 @@ function trocaBanner() {

document.querySelector(’h2#mensagem’).textContent =

banners[bannerAtual];

}

-setInterval(trocaBanner, 2000);

+setInterval(trocaBanner, 1000);

:

Poderíamos obter a mesma saída através do comando:

$ git diff 8877887~2

O comando anterior exibe as mudanças nos arquivos do commit de có-

digo 8877887 em relação aos dois commits feitos imediatamente antes. O

número depois do ~ indica quantos commits anteriores devem ser conside-

rados na comparação. No nosso caso, foram dois.

Apesar de apresentarem a mesma saída no nosso caso, os parâmetros

222cccc..8877887 e 8877887 ~ 2 não são exatamente equivalentes.

Se houvesse alguma modificação ainda não comitada, fora ou dentro da

área de stage, as linhas alteradas também seriam mostradas na resposta do

comando git diff 8877887 ~ 2.

Já o comando git diff 222cccc..8877887 não exibe modificações

ainda não comitadas, mas apenas as mudanças que aconteceram entre os dois

commits especificados.

O comando git status lista os arquivos modificados e o conteúdo

da área de stage. Já o comando git diff mostra detalhadamente quais

foram essas modificações, além de permitir verificar mudanças entre dois

commits.

46

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

3.6

Removendo arquivos do repositório

Vamos dizer que criamos um arquivo produtos.html com o seguinte con-

teúdo:

<html>

<body>

<ul>

<li>Móveis de garrafas PET</li>

<li>Móveis de latinhas de alumínio</li>

<li>Móveis de papelão</li>

</ul>

</body>

</html>

Então, informamos ao Git que queremos rastreá-lo, através do comando

git add produtos.html. Depois, gravamos o conteúdo do arquivo no

repositório com o comando git commit -m "Página de produtos".

Mas acabamos percebendo que replicamos o conteúdo do ar-

quivo

index.html e, por isso, gostaríamos de remover o arquivo



produtos.html.

Porém, não basta deletarmos o produtos.html. Precisamos deletá-

lo e adicionar a deleção na stage, para só então efetuarmos um commit no

repositório.

A remoção do arquivo e adição na stage podem ser realizadas de uma vez

só através do comando:

$ git rm produtos.html

Depois do comando anterior, o arquivo produtos.html não existirá

mais. Se executarmos git status, teremos:

# On branch master

# Changes to be committed:

#

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

#

#

deleted:

produtos.html

#

47

Git e Github

3.6. Removendo arquivos do repositório

Casa do Código

Observe que a deleção de produtos.html já está na área de stage,

pronta para ser comitada com o comando git commit -m "Removendo

página de produtos".

Se já tivéssemos removido o arquivo produtos.html, ao executarmos

git rm produtos.html, a deleção do arquivo seria colocada na área de

stage.

Uma outra maneira de adicionar a deleção de um arquivo à área de stage

seria executar o comando git add. Porém, esse comando não permite o

uso em arquivos removidos, a não ser que seja utilizada a opção --all.

Adicionando a remoção de arquivos ao nosso gráfico, teríamos:

Figura 3.3: Removendo arquivos com Git

48

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Um detalhe importante é saber que, apesar de o arquivo ter sido re-

movido, seu conteúdo fica gravado no histórico do repositório. Dessa

maneira, é possível obtermos qualquer arquivo que já existiu em nosso

repositório.

Porém, se por descuido comitarmos algum arquivo grande e depois

deletá-lo, nosso repositório não diminuirá de tamanho, já que o histórico

será mantido. Mais adiante, veremos como limpar nosso repositório, ex-

purgando arquivos grandes, utilizando ferramentas apropriadas.

3.7

Renomeando e movendo arquivos

Renomeando arquivos

Para manter o padrão de nomenclatura, resolvemos modificar o nome do ar-

quivo estilos.css para principal.css.

Para fazer isso, teríamos que criar o novo arquivo, copiar seu conteúdo,

remover o arquivo antigo, adicionando tanto o novo arquivo como a deleção

do arquivo antigo na área de stage.

Bastante trabalho, não? Ainda bem que esse trabalho todo pode ser pou-

pado com o comando:

$ git mv estilos.css principal.css

Se executarmos o comando git status, teremos:

# On branch master

# Changes to be committed:

#

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

#

#

renamed:

estilos.css -> principal.css

#

Podemos observar que o arquivo aparece como renomeado na área de

stage e pronto para ser comitado. E, claro, se observarmos no diretório do

nosso repositório, o arquivo foi realmente renomeado.

49

3.7. Renomeando e movendo arquivos

Casa do Código

É interessante saber que, se tivéssemos renomeado o arquivo da maneira

mais trabalhosa, o Git iria detectar o nosso objetivo, depois que tivéssemos

efetuados todos os comandos necessários. Isso acontece porque o Git rastreia

o conteúdo dos arquivos, não apenas o nome.

Antes de continuarmos, precisamos atualizar o nome do arquivo CSS em

index.html:

<!-- início do arquivo ... -->

<head>

<!-- tags meta ... -->

<link rel="stylesheet" href="principal.css">

<!-- tags title e script ... -->

</head>

<!-- restante do arquivo ... -->

Feitas as alterações, podemos gravá-las no repositório com o comando

git commit -am "Renomeando CSS". Na saída, deve aparecer:

[master 5777775] Renomeando CSS

2 files changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

rename estilos.css => principal.css (100%)

Pronto! Arquivo renomeado!

Movendo arquivos

E se quisermos mover o arquivo principal.js para um subdiretório

chamado js?

Primeiramente, devemos criar o diretório js.

Depois, deveríamos criar um arquivo principal.js dentro desse novo

diretório, copiar os conteúdos do arquivo anterior e adicionar o novo diretó-

rio à área de stage. Feito isso, precisaríamos remover o arquivo atual, adicionando a remoção à stage. Só então poderíamos comitar as alterações.

Todo esse trabalho também pode ser poupado pelo comando git mv:

$ git mv principal.js js/principal.js

Atenção: é importante que o diretório js já tenha sido criado!

Se executarmos o comando git status, teremos:

50

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

# On branch master

# Changes to be committed:

#

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

#

#

renamed:

principal.js -> js/principal.js

#

Note que o arquivo principal.js foi descrito como renomeado para o

novo arquivo, que está dentro do subdiretório js. Para o Git, não há diferença entre um arquivo movido ou renomeado. No fim das contas, aquele conteúdo

(o que é efetivamente rastreado) mudou de local.

Vamos atualizar o arquivo index.html para apontar para a localização

correta do arquivo principal.js:

<!-- início do arquivo ... -->

<head>

<!-- tags meta, link e title ... -->

<script src="js/principal.js"></script>

</head>

<!-- restante do arquivo ... -->

Então, comitar as alterações com

git commit -am "Movendo

principal.js". Na saída, deve aparecer:

[master 7733388] Movendo principal.js

2 files changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

rename principal.js => js/principal.js (100%)

Pronto! Arquivo movido!

Incluindo a movimentação de arquivos na nossa visualização, ficaríamos

com:

51

Git e Github

Git e Github

3.8. Desfazendo mudanças

Casa do Código

Figura 3.4: Renomeando e movendo arquivos com Git

3.8

Desfazendo mudanças

Desfazendo mudanças não rastreadas

Vamos dizer que o dono da empresa Móveis S. A. ligou de madrugada depois

de tomar umas e outras, pedindo para colocarmos na página principal, um

texto um tanto peculiar.

Para atendê-lo, editamos o arquivo index.html, colocando o seguinte

conteúdo no fim do arquivo:

<!-- inicio do arquivo -->

<p>Móveis baratos pra c**!****

!!

</p>

</body>

</html>

Fizemos a alteração sem muita convicção. Por isso, não a adicionamos na

área de stage. A resposta de um git status seria:

52

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

# (use "git checkout -- <file>..." to discard changes in working directory)

#

#

modified:

index.html

#

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Logo de manhã, o dono da empresa liga arrependido, pedindo para des-

fazermos as alterações.

Como podemos fazer de maneira fácil?

Devemos executar o seguinte comando:

$ git checkout -- index.html

O comando git checkout desfaz as alterações ainda não rastreadas,

ou seja, que ainda não estão na área de stage, voltando ao conteúdo anterior

do arquivo.

Após um git status teríamos:

# On branch master

nothing to commit, working directory clean

Ao verificarmos o conteúdo do arquivo index.html, podemos consta-

tar que a nossa mudança foi desfeita e o arquivo ficou com o conteúdo origi-

nal, conforme o último commit.

Caso haja alguma mudança já rastreada no arquivo, dentro da área de

stage, ao executarmos o comando git checkout, apenas as alterações

indesejadas, fora da stage, serão desfeitas. As mudanças que já estavam

na stage permanecerão. Serão desfeitas apenas as alterações, que ainda

não tinham sido rastreadas.

53

3.8. Desfazendo mudanças

Casa do Código

E se apagarmos algum arquivo sem querer? Medo! Desespero!

Vamos dizer que apagamos o arquivo index.html.

Ao executarmos o comando git status, teríamos:

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add/rm <file>..."to update what will be committed)

# (use "git checkout -- <file>..." to discard changes in working directory)

#

#

deleted:

index.html

#

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Quem poderá nos ajudar? O Git, é claro.

Podemos utilizar o comando git checkout para recuperar arquivos

removidos acidentalmente:

$ git checkout -- index.html

Pronto! Arquivo recuperado!

Desfazendo mudanças já rastreadas

E se já tivermos rastreado uma mudança indesejada no arquivo? Como

voltar atrás?

Vamos dizer que fizemos a seguinte modificação no fim do arquivo

index.html:

<!-- inicio do arquivo -->

<p>Móveis baratos pra

!

!!

</p>

</body>

</html>

Logo depois, colocamos a mudança na área de stage com o comando git

add index.html. Ao executarmos o git status, teríamos:

54

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

# On branch master

# Changes to be committed:

#

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

#

#

modified:

index.html

#

Se quisermos apenas remover da área de stage a mudança efetuada no ar-

quivo index.html, preservando o arquivo modificado, devemos executar:

$ git reset -- index.html

Quando utilizado dessa maneira, apenas informando um arquivo que tem

mudanças na área de stage, o comando git reset retira o arquivo da stage

mas preserva tudo o que foi modificado nesse arquivo.

Ao verificarmos o arquivo index.html, veremos que as alterações que

fizemos anteriormente estarão intocadas.

Depois de executarmos o comando git status, veremos que as mu-

danças aparecem fora da área de stage ( Changes not staged for commit):

# On branch master

# Changes not staged for commit:

#

(use "git add <file>..." to update what will be committed)

# (use "git checkout -- <file>..." to discard changes in working directory)

#

#

modified:

index.html

#

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Se invocarmos o comando git reset sem nenhum parâmetro, se-

rão retirados todos os arquivos da área de stage. As alterações efetuadas

nesses arquivos serão preservadas.

No caso de querermos descartar todas as mudanças nos arquivos ao in-

vocarmos git reset, devemos utilizar a opção --hard.

55

3.8. Desfazendo mudanças

Casa do Código

Há um detalhe importante: a opção --hard retira todos os arquivos da

área de stage e desfaz todas as alterações nesses arquivos. No fim das contas, o repositório fica exatamente no estado que estava no último commit.

Para testarmos, vamos colocar as mudanças no arquivo index.html

novamente na área de stage executando git add index.html.

Então, vamos executar o comando:

$ git reset --hard

Deve aparecer algo como:

HEAD is now at 7733388 Movendo principal.js

Todos os arquivos foram retirados da área de stage e todas as alterações

nesses arquivos foram desfeitas. Podemos confirmar isso executando o co-

mando git status novamente:

# On branch master

nothing to commit, working directory clean

Ou seja, depois do git reset --hard, o repositório voltou a ficar exa-

tamente como estava no último commit. Nenhum arquivo estará modificado

e a área de stage estará vazia.

Desfazendo mudanças já comitadas

Agora, e se já tivermos comitado algumas modificações e quisermos vol-

tar atrás?

Por exemplo, se tivermos feito as seguintes mudanças no arquivo

index.html:

<!-- inicio do arquivo -->

<p>Móveis baratos pra

!

!!

</p>

</body>

</html>

Depois, comitamos as alterações:

$ git commit -am "Adicionando texto peculiar"

56

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Na saída, teríamos algo como:

[master 6111116] Adicionando texto peculiar

1 file changed, 1 insertion(+)

Se quisermos voltar atrás, desfazendo as alterações no repositório, pode-

mos utilizar o comando:

$ git revert --no-edit 6111116

Nesse comando, o código 6111116 representa o último commit efetu-

ado. Se omitirmos a opção --no-edit, será aberto um editor de texto para

editarmos a mensagem do novo commit.

Em vez de passar o código do último commit como parâmetro para o

git revert, poderíamos ter utilizado HEAD que, no nosso caso, aponta

para o último commit.

Após executar o git revert, teríamos como resposta algo parecido

com:

[master 2121212] Revert "Adicionando texto peculiar"

1 file changed, 1 deletion(-)

Ao verificarmos o arquivo index.html veremos que as alterações do

último commit foram desfeitas, retornando à versão anterior.

Se observarmos novamente o histórico de commits do nosso repositório,

com o comando git log -n 2 --oneline, teremos:

2121212 Revert "Adicionando texto peculiar"

6111116 Adicionando texto peculiar

Note que o comando git revert efetuou um novo commit com a ver-

são anterior dos arquivos. Foi utilizada a mensagem Revert seguida da mensagem do commit anterior (no exemplo, Revert “Adicionando texto peculiar” ).

57

3.8. Desfazendo mudanças

Casa do Código

No caso de passarmos um código de commit antigo, apenas as altera-

ções feitas naquele commit serão desfeitas. Isso é algo bastante poderoso!

Imagine que você descubra que um bug veio de uma alteração de de-

terminado commit em um conjunto de arquivos. Apenas com um git

revert é possível desfazer as alterações que inseriram o bug.

Por isso, vale reiterar que commits pequenos e bem montados são

importantes para podermos utilizar o real poder do Git.

Uma outra forma de desfazer alterações já comitadas é utilizando o co-

mando git reset seguido da opção --hard e de um código de commit.

Se quisermos voltar ao commit anterior às alterações peculiares solicita-

das pelo nosso cliente, devemos executar:

$ git reset --hard 7733388

Teríamos como resposta algo similar a:

HEAD is now at 7733388 Movendo principal.js

Se observamos os arquivos, as últimas alterações foram desfeitas.

No histórico do repositório, exibido ao executarmos

git log

--oneline, os commits descartados não aparecem:

7733388 Movendo principal.js

5777775 Renomeando CSS

3234100 Removendo página de produtos

65727bb Página de produtos

8877887 Diminuindo intervalo de troca de banner

4000004 Banner ao abrir a pagina

222cccc Inserindo arquivo principal.js

9222999 Script de troca de banner

2299922 Inserindo titulo e diminuindo tamanho da pagina

7777444 Commit inicial

Ao utilizarmos o comando git reset da maneira anterior, com a opção

--hard e um código de commit, o histórico do repositório é reescrito.

58

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 3. Trabalhando com repositório local

Porém, é importante mantermos todas as alterações gravadas no repositó-

rio, mesmo que indesejadas. Afinal de contas, estamos utilizando um sistema

de controle de versões justamente para ter um histórico fiel da evolução do

código de nossos projetos.

Por isso, nas raras ocasiões em que é necessário desfazer commits, reco-

mendamos que seja utilizado o comando git revert.

Atualizando nossa visualização gráfica do que aprendemos, agora com

comandos para desfazer modificações, temos:

Figura 3.5: Desfazendo mudanças com Git

59

Capítulo 4

Trabalhando com repositório

remoto

Nosso projeto já possui vários arquivos, e também alguns commits que fi-

zemos para guardar o histórico das modificações realizadas. Entretanto, to-

dos os commits estão registrados apenas localmente, ou seja, unicamente no

nosso computador.

Se algum dia nosso computador apresentar algum problema técnico, e

deixar de funcionar, ou até mesmo se ele for roubado, teríamos um sério pro-

blema, pois junto com ele perderíamos também nosso repositório e o projeto.

Podemos adotar uma estratégia de realizar backups semanalmente do

nosso repositório, ou até mesmo diariamente, para que assim sempre tenha-

mos uma cópia de segurança.

Entretanto, essa estratégia de realização de backups é desaconselhada por

4.1. Repositório remoto

Casa do Código

ser trabalhosa e sujeita a falhas, já que podemos nos esquecer de realizar o

backup em algum dia.

Além disso, manter o repositório apenas localmente nos traz outra ques-

tão: como fazer para trabalhar em equipe, com vários desenvolvedores alte-

rando os arquivos do projeto e registrando essas alterações com commits?

Certamente ficar compactando e enviando o repositório para os outros

membros da equipe, a cada novo commit, não parece ser uma ideia muito

boa.

4.1

Repositório remoto

Para evitar os problemas citados anteriormente devemos trabalhar com um

repositório remoto, que nada mais é do que um repositório Git criado em outro computador, chamado de servidor.

Se os desenvolvedores da equipe trabalham na mesma empresa, todos eles

vão estar conectados pela rede. Sendo assim, para criarmos um repositório

remoto, devemos primeiramente utilizar algum computador da empresa que

esteja conectado na rede, e criar o repositório Git do projeto neste computa-

dor, que passará a ser o servidor central do projeto.

Criando um repositório remoto

A criação do repositório remoto é feita com o comando git init, da

mesma maneira que fizemos para criar o repositório local, entretanto deve-

mos passar o parâmetro --bare ao comando:

$ git init --bare moveis-ecologicos.git

Ao executar o comando, será apresentada uma mensagem como:

Initialized empty Git repository

in /opt/repositorios/moveis-ecologicos.git/

O parâmetro --bare serve para que o Git não crie um working tree (dire-tório de trabalho), impedindo que commits sejam efetuados diretamente no

servidor. No nosso caso faz sentido, já que os commits serão realizados pelos 62

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 4. Trabalhando com repositório remoto

desenvolvedores, localmente, em seus computadores, e depois esses commits

serão enviados e armazenados no repositório remoto, localizado no servidor.

Ao

executar

o

comando

git init --bare

moveis-ecologicos.git, o Git criará um novo diretório chamado

moveis-ecologicos.git com a seguinte estrutura:

Figura 4.1: Estrutura de diretórios do repositório Git

Lembre-se de nunca mexer nesses arquivos e diretórios, pois eles representam o repositório Git e devem ser manipulados apenas pelo Git.

4.2

Adicionando o repositório remoto

Agora que o repositório remoto já foi criado no servidor, é possível enviar os commits efetuados no nosso repositório local para o repositório remoto. Mas

antes disso precisamos, de alguma maneira, indicar ao Git onde está locali-

zado o repositório remoto.

Para ensinar ao Git onde se encontra o nosso repositório remoto, devemos

utilizar o comando git remote add, no qual informamos o endereço do

repositório remoto.

Supondo que o nosso servidor esteja na rede com o endereço IP

192.168.1.1

, e o repositório remoto do nosso projeto tenha sido criado

no diretório /opt/repositorios/moveis-ecologicos.git, para adi-

cionarmos o repositório remoto devemos executar o comando git remote

add da seguinte maneira:

63

4.2. Adicionando o repositório remoto

Casa do Código

$ git remote add servidor

file://192.168.1.1/opt/repositorios/moveis-ecologicos.git

Ao executar o comando git remote add devemos informar o name

(nome) do repositório remoto e sua url (endereço).

No exemplo anterior, o name do repositório adicionado foi servidor e a url foi file://192.168.10.1/opt/repositorios/moveis-ecologicos.git.

É possível adicionar mais de um repositório remoto, desde que cada um

tenha seu name distinto. Isto pode ser útil se precisarmos enviar os commits

para mais de um servidor.

Listando os repositórios remotos

Para listar os repositórios remotos que foram adicionados devemos utili-

zar o comando git remote:

$ git remote

servidor

Mas repare que é exibido apenas o name dos repositórios remotos. Para

que também seja exibida a url devemos adicionar o parâmetro -v ao co-

mando:

$ git remote -v

servidor file://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git (fetch)

servidor file://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git (push)

Observe que o repositório remoto foi listado duas vezes. Isso acontece

pois o Git permite que tenhamos duas URLs distintas para o mesmo reposi-

tório remoto, sendo uma para leitura ( fetch) e outra para escrita ( push). Isto pode ser útil se precisarmos utilizar protocolos distintos para leitura e escrita.

Alterando e removendo os repositórios remotos

É possível alterar o name de um repositório remoto utilizando o comando

git remote rename:

64

Casa do Código

Capítulo 4. Trabalhando com repositório remoto

$ git remote rename servidor outronome

$ git remote

outronome

O que aconteceria se alguém alterasse o endereço IP do servidor de

192.168.1.1

para 192.168.1.2

? Teríamos um problema, pois

nosso repositório remoto estaria apontando para o endereço antigo. Deve-

mos nesse caso alterar a url do repositório remoto, e isto é feito com outro

comando, o git remote set-url, passando como parâmetro o name do

repositório remoto e a nova url:

$ git remote -v

servidor file://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git (fetch)

servidor file://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git (push)

$ git remote set-url servidor

file://192.168.1.2/opt/repositorios/moveis-ecologicos.git

$ git remote -v

servidor file://192.168.1.2/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git (fetch)

servidor file://192.168.1.2/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git (push)

4.3

Enviando commits para o repositório re-

moto

Agora que já adicionamos o repositório remoto, podemos, enfim, enviar os

commits para o servidor.

Para enviar os commits locais, que ainda não existem no servidor, de-

vemos utilizar o comando git push, informando o name do repositório

remoto, no nosso caso servidor, seguido de master:

$ git push servidor master

Será exibida uma mensagem como:

65

4.4. Clonando o repositório remoto

Casa do Código

Counting objects: 3, done.

Delta compression using up to 4 threads.

Compressing objects: 100% (2/2), done.

Writing objects: 100% (2/2), 227 bytes | 0 bytes/s, done.

Total 2 (delta 1), reused 0 (delta 0)

To file://192.168.1.1/opt/repositorios/moveis-ecologicos.git/

3333355..0000000

master -> master

Pronto! Agora os commits já foram enviados para o servidor.

A palavra master que utilizamos no comando anterior é o nome

da branch principal do nosso repositório. Estudaremos branches com

profundidade mais adiante.

4.4

Clonando o repositório remoto

Nosso projeto continua a crescer e não param de chegar mais pedidos de fun-

cionalidades. Tivemos que contratar mais um desenvolvedor para a equipe,

e ele já está pronto para começar a desenvolver as novas funcionalidades do

sistema, mas para isso vai precisar, primeiramente, obter uma cópia do repo-

sitório com todos os arquivos e commits.

Para obtermos uma cópia de um repositório Git, devemos utilizar o co-

mando git clone informando a URL do repositório a ser clonado:

$ git clone file://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git

Será exibida uma mensagem como:

Cloning into ’projeto’...

remote: Counting objects: 8, done.

remote: Compressing objects: 100% (6/6), done.

remote: Total 8 (delta 1), reused 0 (delta 0)

Receiving objects: 100% (8/8), 618.32 KiB | 0 bytes/s, done.

Resolving deltas: 100% (1/1), done.

Checking connectivity... done.

66

Casa do Código

Capítulo 4. Trabalhando com repositório remoto

Ao executar o comando anterior, o Git criará um diretório chamado

moveis-ecologicos, que será uma cópia local do repositório remoto, con-

tendo todos os arquivos e o histórico dos commits realizados.

Por padrão, o Git criará um diretório com o mesmo nome do repositório,

e também já adicionará um repositório remoto com o name origin, que

aponta para a URL clonada.

4.5

Sincronizando o repositório local

Após clonar o repositório do projeto, o novo desenvolvedor finalizou uma

das novas funcionalidades, realizando alguns commits para isso, e inclusive

já enviou tais commits para o servidor.

Sendo assim, para que possamos visualizar as alterações e commits rea-

lizados pelo novo desenvolvedor, devemos sincronizar o nosso repositório local com o servidor, puxando os novos commits para o nosso repositório local.

A sincronização do repositório local com o servidor é feita com o uso do

comando git pull, onde devemos informar o name do repositório remoto

que queremos sincronizar, e o nome da branch local a ser atualizada:

$ git pull servidor master

Será exibida uma mensagem como:

remote: Counting objects: 3, done.

remote: Compressing objects: 100% (2/2), done.

remote: Total 2 (delta 1), reused 0 (delta 0)

Unpacking objects: 100% (2/2), done.

From file://192.168.1.1/opt/repositorios/moveis-ecologicos

* branch

master

-> FETCH_HEAD

0000000..0000000

master

-> servidor/master

Updating 0000000..0000000

Fast-forward

promocoes.html | 0

1 file changed, 0 insertions(+), 0 deletions(-)

create mode 100111 promocoes.html

67

4.6. Protocolos suportados pelo Git

Casa do Código

Agora nosso repositório local está atualizado, e já é possível visualizar as

alterações e commits efetuados pelo novo desenvolvedor.

Repositório centralizado ou distribuído

O Git é um sistema de controle de versão distribuído, e por isso não

depende de um servidor central, diferentemente do CVS e SVN. Con-

forme visto no capítulo anterior, podemos trabalhar apenas com o repo-

sitório local.

Entretanto, conforme visto neste capítulo, é possível trabalhar com o

Git de maneira centralizada, onde um servidor será o repositório central,

recebendo os commits de todos os desenvolvedores, e estes, por sua vez,

sincronizando seus repositórios locais com o servidor, frequentemente,

para obter os novos commits. Esta é a maneira mais comum de utilização

do Git.

4.6

Protocolos suportados pelo Git

Quando adicionamos ou clonamos um repositório Git, devemos informar a

url do repositório, que utiliza algum protocolo para comunicação e transfe-

rência de dados.

O Git suporta quatro protocolos para comunicação e transferência de da-

dos:

• Local

• SSH

• Git

• HTTP/HTTPS

Protocolo local

O protocolo local foi o utilizado neste capítulo. Ele pode ser utilizado

quando o repositório remoto estiver localizado no mesmo computador em

68

Casa do Código

Capítulo 4. Trabalhando com repositório remoto

que se encontra o repositório local, ou em outro computador que esteja co-

nectado na mesma rede.

A utilização do protocolo local é feita com o uso do prefixo file:// na

URL do repositório a ser clonado:

$ git clone file:///opt/repositorios/moveis-ecologicos.git

É possível omitir o prefixo file:// na URL, bastando apenas informar

o caminho do repositório:

$ git clone /opt/repositorios/moveis-ecologicos.git

As vantagens da utilização do protocolo local são a sua simplicidade, e o

uso das permissões existentes de acesso a arquivos e diretórios. Já uma das

desvantagens é a dificuldade de configuração para acesso externo à rede.

Protocolo SSH

O protocolo SSH é, provavelmente, o mais utilizado, por ser rápido, se-

guro, simples de configurar e por suportar tanto a leitura quanto a escrita de dados.

O uso do protocolo SSH é feito com a URL seguindo o padrão

usuario@servidor:/caminho/repositorio.git. Por exemplo:

$ git clone [email protected]:/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git

Protocolo Git

O Git possui um protocolo próprio, que é similar ao SSH, mas sem o me-

canismo de autenticação. Por conta disso, ele acaba sendo mais rápido; entre-

tanto não é seguro, e seu uso é apenas para leitura.

Para clonar um repositório utilizando o protocolo Git, a URL deve possuir

o prefixo git://:

$ git clone git://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git

69

4.6. Protocolos suportados pelo Git

Casa do Código

Protocolo HTTP/HTTPS

O Git também suporta o protocolo HTTP, que é bastante utilizado

quando estamos trabalhando em empresas que possuem um controle rígido

de segurança, e a porta 22, utilizada pelo protocolo SSH, é bloqueada.

Para clonar um repositório utilizando o protocolo HTTP, a URL deve pos-

suir o prefixo http://:

$ git clone http://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git

Também é possível utilizar o protocolo HTTPS, que adiciona uma ca-

mada de segurança sobre o HTTP, com a utilização do protocolo SSL/TLS:

$ git clone https://192.168.1.1/opt/repositorios/

moveis-ecologicos.git

70

Capítulo 5

Hospedando o repositório no

GitHub

No capítulo anterior, vimos como utilizar um repositório remoto, para que

tenhamos facilidade ao trabalhar em equipe no projeto. Agora, sempre que

um novo membro da equipe for trabalhar no projeto, ele deve primeiramente

clonar o repositório, efetuar as alterações necessárias, comitar tais alterações, e então enviar os commits para o repositório remoto.

Assim sendo, vimos que a utilização de um repositório remoto nos ajuda

a ter uma melhor organização para trabalhar em equipe em um projeto, além

de também funcionar como backup.

Entretanto, como o repositório remoto está localizado em um servidor

da empresa, ficamos limitados a efetuar a sincronização apenas dentro dela,

pois precisaremos estar conectados à rede local para conseguirmos acessar o

5.1. Serviços de hospedagem de projetos

Casa do Código

servidor.

Se algum dia um desenvolvedor precisar sincronizar as alterações com o

repositório remoto de fora da empresa, por exemplo de casa, isso não vai ser

possível, pois ele não vai estar conectado à rede local.

Até é possível acessar a rede local da empresa externamente, mas para

isso será necessário configurar uma VPN ( Virtual Private Network), ou liberar acesso externo ao servidor via SSH, o que pode ser algo complicado de se

fazer, além de também poder ser proibido por algumas empresas, devido a

políticas de segurança.

O ideal seria que o repositório remoto estivesse acessível pela internet,

pois assim poderíamos acessá-lo de qualquer lugar do mundo, bastando ape-

nas estarmos conectados à internet.

5.1

Serviços de hospedagem de projetos

Existem alguns serviços para hospedagem de projetos na internet, que per-

mitem a utilização de ferramentas de controle de versão. A ideia é que você

possa hospedar seus projetos, juntamente com os repositórios, na internet, e

assim será possível acessá-los de qualquer lugar do mundo.

Dentre os principais serviços que suportam o Git, estão:

• GitHub

• Bitbucket

• Google Code

5.2

GitHub: a rede social dos desenvolvedores

Criado em 2008 por Tom Preston-Werner, Chris Wanstrath e PJ Hyett, com

o objetivo de simplificar o compartilhamento de projetos, o GitHub é hoje o

maior serviço de hospedagem de repositórios de projetos, contendo, atual-

mente, mais de 3 milhões de usuários e mais de 12 milhões de repositórios.

72

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Figura 5.1: Logotipo do GitHub

É o principal serviço utilizado pelos desenvolvedores que utilizam o Git.

Vários projetos importantes estão hospedados no GitHub, dentre eles:

• jQuery

• Ruby on Rails

• Node.js

• Django

• Bootstrap

O GitHub é também uma ferramenta colaborativa, pois nos permite in-

teragir nos repositórios, por meio de algumas funcionalidades como:

• Issue Tracker: para criação e gestão de bugs e milestones do projeto;

• Pull Requests: para que outros usuários possam enviar seus commits

com alterações no projeto, ou commits com correções de bugs;

• Commit Comments: para que os usuários possam comentar e discutir

sobre as modificações no código, de um determinado commit.

Além disso, no GitHub é possível criar organizações, e dentro delas criar equipes, para que então seja possível vincular determinados usuários a determinadas equipes, bem como vincular as equipes aos repositórios em que elas

73

Git e Github

5.3. Encontrando projetos e visualizando o código-fonte

Casa do Código

vão trabalhar. Isso é muito útil para empresas que possuem muitos projetos e

muitos colaboradores, pois permite uma melhor organização.

Por conta dessas funcionalidades e por permitir uma maior colaboração

nos repositórios, o GitHub é considerado por muitos como uma espécie de

rede social para desenvolvedores.

5.3

Encontrando projetos e visualizando o

código-fonte

Vamos acessar o site do GitHub e visualizar o código-fonte de algum projeto

open source. Para isso, basta abrir um navegador e acessar o endereço: http:

//github.com

Figura 5.2: Página inicial do GitHub

Essa é a página inicial do GitHub, nela podemos efetuar login, cadastrar

um novo usuário, fazer buscas e acessar alguns links interessantes.

No topo da página existe um campo de texto, usado para pesquisar por

repositórios ou usuários. Vamos pesquisar pelo repositório do jQuery, uma famosa biblioteca de JavaScript, bastando para isso digitar a palavra jquery no campo de texto e apertar a tecla Enter.

74

Git e Github

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Figura 5.3: Campo para pesquisar por repositórios

Após realizar a pesquisa, será apresentada uma página com o resultado,

listando todos os repositórios que possuam no nome ou na descrição a palavra

jquery.

Figura 5.4: Página com o resultado da pesquisa

Vamos selecionar o primeiro resultado, que no caso é o projeto jQuery

que estamos buscando.

Figura 5.5: Link para o repositório do jQuery

75

Git e Github

Git e Github

5.3. Encontrando projetos e visualizando o código-fonte

Casa do Código

Na página do repositório do jQuery é possível navegar pelo código-fonte,

visualizar a descrição do projeto, os commits, os usuários que contribuem

para o projeto, e até mesmo baixar o repositório compactado em um arquivo

zip.

Figura 5.6: Página do repositório do jQuery

Visualizando os commits do projeto

Vamos agora visualizar os últimos commits realizados no projeto. Para

isso, basta clicar no link commits:

Figura 5.7: Link para a página de commits do jQuery

Será apresentada uma página listando os últimos commits efetuados no

76

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

projeto, onde também é possível navegar por commits mais antigos. Visuali-

zar esta página seria como executar o comando git log no repositório.

Figura 5.8: Página de commits do jQuery

Ao clicar em algum dos commits, será apresentada uma página de deta-

lhamento, onde podemos visualizar as alterações efetuadas, similar a quando

executamos o comando git diff:

77

Git e Github

5.3. Encontrando projetos e visualizando o código-fonte

Casa do Código

Figura 5.9: Página de detalhamento de commit

Visualizando o código-fonte do projeto

De volta à página principal do repositório, agora vamos navegar pelo

código-fonte. Já na página principal do repositório é possível visualizar os

arquivos e diretórios do projeto. Vamos navegar pelo diretório src:

78

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Figura 5.10: Diretórios do repositório

Serão exibidos todos os arquivos e subdiretórios existentes, e podemos

detalhar algum deles, por exemplo o arquivo ajax.js:

79

Git e Github

5.4. Criando um usuário no GitHub

Casa do Código

Figura 5.11: Detalhamento de um dos arquivos do repositório

Além de ser exibido todo o código-fonte do arquivo, nessa página tam-

bém é possível visualizar todos os usuários que já efetuaram commits com

modificações neste arquivo.

5.4

Criando um usuário no GitHub

Para poder começar a usar o GitHub e criar os nossos repositórios, devemos

primeiramente cadastrar um novo usuário no site.

Atenção! Caso você já tenha criado um usuário anteriormente, no capí-

tulo 2 você pode seguir para a próxima seção.

A criação de um novo usuário no GitHub deve ser feita na página inicial

do site: http://github.com

80

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Figura 5.12: Página de criação de novo usuário

Devemos informar um nome de usuário, o e-mail e uma senha. Caso já

exista um outro usuário cadastrado com o mesmo nome de usuário e/ou e-

mail informado, o GitHub nos mostrará um alerta indicando tal situação, e

só permitirá que continuemos o cadastro após a alteração dessa(s) informa-

ção(ões).

Após informar os dados e clicar no botão Sign up for GitHub, seremos

redirecionados para uma página de boas-vindas, onde devemos escolher qual

o plano a ser contratado.

81

Git e Github

5.4. Criando um usuário no GitHub

Casa do Código

Figura 5.13: Página de boas-vindas e escolha do plano de contratação

Planos de contratação oferecidos pelo GitHub

O GitHub possui alguns planos que podemos contratar, sendo um gra-

tuito, e os outros com custos mensais.

No plano gratuito do GitHub, o usuário não tem nenhum custo, entre-

tanto ele somente poderá criar repositórios públicos, ou seja, qualquer pes-

soa poderá encontrar seus repositórios e inclusive ter acesso ao código-fonte.

Este plano é ideal para usuários que querem criar e/ou colaborar com projetos open source.

Mas muitas empresas possuem projetos que são restritos, e não podem

ter o código-fonte acessível a qualquer pessoa. Neste caso, a empresa deverá

contratar algum dos planos pagos oferecidos pelo GitHub.

A diferença entre os planos pagos está na quantidade de repositórios pri-

82

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

vados que poderão ser criados. No plano mais barato, que atualmente custa

$7 por mês, é possível criar até 5 repositórios privados, enquanto que no plano mais caro, que atualmente custa $50 por mês, essa quantidade de repositórios

privados sobe para 50.

Após escolher o plano que mais se adeque às nossas necessidades, deve-

mos finalizar o cadastro clicando no botão Finish sign up, e seremos redirecionados para a página que mostra os repositórios do nosso usuário e outras

informações. Essa página é conhecida como Dashboard.

Figura 5.14: Página de dashboard

O GitHub enviará um e-mail de confirmação de cadastro, com um link

para validação e ativação. É importante acessarmos esse link, pois assim o

e-mail será validado e associado ao nosso usuário, e além disso, todas as no-

tificações do GitHub serão enviadas apenas ao(s) e-mail(s) cadastrado(s).

5.5

Criando o repositório do projeto

Agora que temos um usuário cadastrado, já é possível criar o repositório do

projeto.

Para criar um novo repositório no GitHub, devemos acessar a URL http:

//github.com/new ou clicar no botão New repository existente na página principal.

83

Git e Github

5.5. Criando o repositório do projeto

Casa do Código

Figura 5.15: Página de criação de novo repositório

Nesta página devemos preencher o nome do repositório no campo

Repository name, e, opcionalmente, preencher uma descrição no campo

Description. Após isso, basta clicar no botão Create repository, e

seremos redirecionados para a página principal do repositório, onde serão

exibidas as informações de como adicionar o repositório remoto, para poder-

mos sincronizar os commits do nosso repositório local.

84

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Figura 5.16: Página do novo repositório

Agora basta adicionarmos o repositório remoto, com o comando git

remote add, conforme exibido na página do repositório:

$ git remote add origin

https://github.com/fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

5.6

Enviando os commits do projeto para o

GitHub

Com o repositório remoto adicionado, podemos finalmente enviar os com-

mits para o GitHub.

O envio dos commits é feito da mesma maneira que vimos no capítulo

anterior, ou seja, utilizando o comando git push:

$ git push origin master

Como utilizamos o protocolo https ao adicionar o repositório remoto,

sempre que formos sincronizar nosso repositório local, o Git nos solicitará o usuário e senha cadastrados no GitHub.

85

Git e Github

5.7. Clonando o repositório hospedado no GitHub

Casa do Código

Após o Git enviar os commits para o repositório remoto, será exibida uma

mensagem como:

Counting objects: 8, done.

Delta compression using up to 4 threads.

Compressing objects: 100% (6/6), done.

Writing objects: 100% (8/8), 15.78 KiB | 0 bytes/s, done.

Total 8 (delta 0), reused 0 (delta 0)

To https://github.com/fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

* [new branch]

master -> master

Se atualizarmos a página do nosso repositório, veremos que os arquivos

e os commits foram enviados com sucesso:

Figura 5.17: Página do repositório atualizada com os arquivos e commits

5.7

Clonando o repositório hospedado no

GitHub

Agora que o nosso repositório remoto está hospedado no GitHub, os desen-

volvedores da equipe poderão sincronizar seus repositórios locais de qualquer lugar do mundo, não ficando mais restritos a sincronizar apenas quando conectados na rede local da empresa.

86

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Para que um novo desenvolvedor obtenha uma cópia do repositório, ele

agora deverá clonar o repositório remoto localizado no GitHub:

$ git clone https://github.com/fulanodasilva/

moveis-ecologicos.git

5.8

Colaborando com projetos open source

Conforme citado anteriormente, existem milhares de projetos hospedados no

GitHub, sendo que muitos destes são open source, ou seja, significa que qualquer desenvolvedor pode colaborar com melhorias e correções de bugs. Mas

como fazer para colaborar com tais projetos?

Vamos supor que queremos colaborar com algum projeto open source,

por exemplo, o VRaptor, um framework MVC para desenvolvedores Java.

Figura 5.18: Página do repositório do VRaptor

Primeiramente vamos precisar clonar o repositório, para termos acesso

ao código-fonte, e então efetuar as melhorias desejadas:

$ git clone https://github.com/caelum/vraptor4.git

87

5.8. Colaborando com projetos open source

Casa do Código

Pronto! Já temos uma cópia do repositório com todos os arquivos do

projeto. Agora basta efetuar as melhorias desejadas, registrando as alterações realizadas com commits.

Mas lembre-se de que os commits realizados existem apenas no nosso

repositório local, precisamos agora enviá-los para o repositório remoto do

projeto, no GitHub, com o comando git push:

$ git push origin master

Entretanto, a execução do comando anterior falha, gerando a seguinte

mensagem de erro:

remote: Permission to caelum/vraptor4.git denied to

fulanodasilva.

fatal: unable to access ’https://github.com/caelum/

vraptor4.git/’:

The requested URL returned error: 403

O problema é que o usuário fulanodasilva não tem permissão para

enviar commits para o repositório do VRaptor, pois esse repositório não per-

tence a ele, mas sim ao usuário caelum.

Para resolver esse problema, o usuário caelum poderia acessar a página

de configurações do repositório VRaptor no GitHub, e adicionar o usuário

fulanodasilva como colaborador.

Mas essa abordagem deve ser utilizada apenas para adicionar os usuários

que fazem parte da equipe de desenvolvimento do projeto, ou seja, apenas os

desenvolvedores que trabalham efetivamente no projeto. Dessa forma, acaba

sendo inviável ter que adicionar um novo usuário como colaborador toda vez

que um novo desenvolvedor quiser colaborar com o projeto.

Além disso, a partir do momento em que adicionamos um usuário como

colaborador, ele passa a ter permissão de enviar commits para o repositório

sem restrições, o que pode ser arriscado, pois não há uma avaliação prévia

das alterações que foram realizadas.

88

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Pull requests

A solução do GitHub para a colaboração com projetos open source, foi

uma funcionalidade chamada de pull requests.

Primeiramente, devemos acessar a página do projeto que queremos cola-

borar no GitHub, no nosso caso http://github.com/caelum/vraptor4, e clicar

no botão Fork:

Figura 5.19: Botão para fazer o fork do VRaptor

Ao clicar no botão Fork, o GitHub criará uma cópia do repositório do

VRaptor no nosso usuário do GitHub:

Figura 5.20: Página do repositório do VRaptor pertencente ao nosso usuário

Repare que agora o nosso usuário do GitHub possui um repositório cha-

mado vraptor4, ou seja, esse repositório é a nossa versão do projeto.

O próximo passo é clonar o repositório a partir do nosso usuário do

GitHub, e não do usuário caelum, pois assim conseguiremos realizar o push

dos commits locais para o nosso repositório no GitHub:

$ git clone https://github.com/fulanodasilva/vraptor4.git

89

Git e Github

Git e Github

5.8. Colaborando com projetos open source

Casa do Código

Agora, após realizar as alterações e commits no projeto, conseguiremos

realizar o push normalmente, pois o repositório remoto no GitHub pertence

ao nosso usuário.

Entretanto, os commits foram enviados apenas para o nosso repositório

no GitHub.

Para que os commits sejam integrados ao repositório original do projeto,

no caso o repositório vraptor4 do usuário caelum, devemos enviar um

Pull Request para o usuário caelum, solicitando que seja feito um pull dos nossos commits.

Para criar um Pull Request devemos acessar a página do nosso repo-

sitório no GitHub, clicar no link Pull Requests, e em seguida clicar no botão New pull request:

Figura 5.21: Página com link para gerenciar Pull requests

Figura 5.22: Página com botão para criar um novo Pull request

Seremos redirecionados para a página de criação do pull request, na qual

serão listados os commits e alterações realizados. Para confirmar a criação do pull request, basta clicar no botão Create pull request:

90

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 5. Hospedando o repositório no GitHub

Figura 5.23: Página com botão para confirmar a criação do pull request

Após criarmos o pull request, o usuário caelum receberá uma noti-

ficação do GitHub, e poderá efetuar o pull dos nossos commits, integrando-

os ao repositório original do projeto. Claro, isso após uma análise das altera-

ções efetuadas em nossos commits.

Pronto! Esse é o processo utilizado pelos desenvolvedores que colaboram

com projetos open source hospedados no GitHub.

91

Git e Github

Capítulo 6

Organizando o trabalho com

branches

Nosso cliente não está satisfeito com o design da página. Convenhamos, a página que criamos não está das mais bonitas do mundo:

Figura 6.1: Design da página deixa a desejar

6.1. A branch master

Casa do Código

Sabemos um pouquinho sobre design, mas precisamos de algumas sema-

nas focadas na melhoria do visual.

Mas temos um problema: nosso cliente continua pedindo para alterar-

mos o conteúdo da página, várias vezes por semana. Além disso, temos que

corrigir bugs como erros de português, links incorretos etc. E sabemos que todas essas as mudanças têm que ser publicadas de imediato.

Se publicarmos o site enquanto o novo design está sendo desenvolvido,

teremos uma página pela metade. E precisamos de tempo para experimentar

algumas possibilidades. E agora?

Trabalhando em paralelo com branches

A maioria dos sistemas de controle de versão permite trabalho em para-

lelo através de branches. Uma branch é uma linha independente de desenvolvimento em que podemos comitar novas versões do código sem afetar outras

branches.

Em muitos sistemas de controle de versão, utilizar branches é algo bas-

tante lento e trabalhoso. Porém, a estrutura interna do Git permite lidarmos

com branches de maneira muito rápida e leve.

6.1

A branch master

Vamos nos certificar de que estamos no nosso repositório moveis, execu-

tando cd ~/moveis em um terminal.

Para listar as branches do nosso repositório, devemos executar o co-

mando:

$ git branch

Teremos como resposta:

* master

Peraí! Foi mostrada uma branch chamada master, mesmo sem termos

criados nenhuma branch... Isso ocorreu porque o Git possui por padrão uma

branch principal chamada master. Todos os nossos commits até agora ocor-

reram nessa branch principal.

94

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

Observe que a branch master tem um asterisco (*) na frente. Isso indica

que é a branch atual, em que estamos trabalhando.

No Git, toda branch é basicamente um apontador para um commit. A

cada novo commit que fazemos, a branch é movida automaticamente, pas-

sando a apontar para esse novo commit. Por isso, por padrão, a branch

master aponta para o último commit que fizemos.

Se quisermos listar as branches existentes no nosso repositório com os

commits associados, poderíamos utilizar a opção -v do comando git

branch:

$ git branch -v

A resposta, no nosso caso, seria:

* master b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Antes de continuarmos, é importante sabermos uma das informações que

um commit armazena, o commit pai, que é o que foi efetuado anteriormente.

Na verdade, um commit pode ter vários pais, o que veremos adiante.

Podemos observar os commits com seus respectivos pais executando o

comando git log com a opção --parents.

Já para verificarmos o commit para o qual a master está apontando,

passamos a opção --decorate para o comando git log.

Juntando as opções, podemos executar

git log --oneline

--decorate --parents para exibir o histórico resumido do nosso

repositório com o commit para o qual a master está apontado e os commits

pai de cada commit. Teríamos uma saída parecida com:

b92285b a5b9fce (HEAD, master) Revert "Adicionando texto

peculiar"

a5b9fce 2259f55 Adicionando texto peculiar

2259f55 d211fac Movendo principal.js

d211fac 515da0a Renomeando CSS

515da0a e9ca4c6 Removendo página de produtos

e9ca4c6 793e567 Página de produtos

793e567 0f2b749 Diminuindo intervalo de troca de banner

0f2b749 7e1c195 Banner ao abrir pagina

95

Git e Github

6.2. Criando uma branch

Casa do Código

7e1c195 9a20490 Inserindo arquivo principal.js

9a20490 83b60c3 Script de troca de banner

83b60c3 1a02a4f Inserindo titulo e diminuindo tamanho da pagina

1a02a4f Commit inicial

Observe que a resposta do comando anterior apresenta três colunas: o

código do commit, o código do pai e a mensagem do commit. Por exem-

plo, podemos ver que o pai do commit d211fac (“Renomeando CSS”) foi o

commit 515da0a (“Removendo página de produtos”).

Note também que nosso primeiro commit, o de código 1a02a4f, possui

apenas duas colunas, indicando que esse commit não possui um pai.

Além disso, podemos ver que a branch master aponta para o último

commit, de código b92285b. Não se preocupe com o HEAD, já que veremos

a seguir seu significado.

Uma visualização do nosso histórico de commits da branch master se-

ria:

Figura 6.2: A branch master

6.2

Criando uma branch

Para criarmos uma branch chamada design para trabalharmos na melhoria

do design basta executarmos:

$ git branch design

Não será exibida nenhuma resposta.

Se listarmos as branches com o comando git branch, teremos:

96

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

design

* master

Agora temos duas branches!

Note que a branch atual continua sendo a master, que está destacada

com um asterisco (*). O comando git branch apenas cria uma nova

branch, mas não muda para a branch criada.

A nova branch que acabamos de criar ( design) aponta para o mesmo

commit que a branch que estávamos anteriormente ( master). Podemos ve-

rificar isso com o comando git branch -v:

design b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

* master b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Mas onde o Git guarda a informação de qual é a branch atual? Aí que

entra o HEAD, que é um apontador especial que indica qual é a branch na

qual estamos trabalhando.

Visualizando o nosso repositório logo após a criação da branch design,

teríamos:

Figura 6.3: A branch design e o HEAD

97

Git e Github

6.3. Trocando de branch

Casa do Código

6.3

Trocando de branch

Já criamos nossa branch design mas ainda estamos na master. Para tro-

carmos para a branch recentemente criada, devemos executar:

$ git checkout design

Deve aparecer como resposta:

Switched to branch ’design’

Depois de executar o comando anterior, o HEAD passa a apontar para a

nova branch design.

Se executarmos o comando git branch -v, teremos:

* design b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

master b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Observe que o asterisco (*) que indica a branch atual foi mudada para a

branch design. Ambas as branches continuam apontando para o mesmo

commit.

Visualizando o estado do nosso repositório, teríamos:

Figura 6.4: HEAD apontando para design

98

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

Conforme vimos no capítulo 3, o comando git checkout, além de

trocar a branch atual, também pode ser usado para descartar mudanças

de um arquivo que ainda não estão na área de stage. Para descartarmos

as mudanças do arquivo index.html, por exemplo, devemos executar

git checkout -- index.html.

Na verdade, a opção -- não é estritamente necessária. Porém, é uma

boa prática, já que serve para informar que se trata de um arquivo. Dessa

maneira, ajuda a evitar problemas caso uma branch tenha o mesmo nome

de algum arquivo.

Criando e já trocando para uma nova branch

Nosso cliente pediu que nós começássemos a construir uma loja online

para venda dos móveis. Seria algo demorado, de longo prazo. Por isso, cons-

truiríamos a loja online uma nova branch, chamada loja.

Criar uma branch loja com git branch só para depois mudar para

a nova branch com git checkout é algo tedioso.

Seria interessante já criarmos e mudarmos para a nova branch loja de

uma só vez. Podemos fazer isso passando a opção -b para o comando git

checkout:

$ git checkout -b loja

A saída apresentada seria:

Switched to a new branch ’loja’

Se listarmos as branches com git branch -v, teríamos:

design b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

* loja

b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

master b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Note que o asterisco (*) está na branch loja, indicando que essa é a

branch atual. E a loja foi criada apontando para o commit b92285b, o

mesmo das outras branches.

99

6.4. Deletando uma branch

Casa do Código

6.4

Deletando uma branch

Mas não temos tempo para criar uma loja online... Temos que nos focar nas

nossas tarefas atuais.

Como não vamos usar a branch loja por um bom tempo, seria bom

removê-la. Assim, evitamos confusões e desperdício no nosso repositório.

Não é possível remover uma branch enquanto estivermos nela. Por isso,

devemos ir para outra branch. Para ir para a branch master, devemos exe-

cutar git checkout master.

Para deletar uma branch, devemos utilizar a opção -d do comando git

branch:

$ git branch -d loja

Deve aparecer uma mensagem como a seguir:

Deleted branch loja (was b92285b).

A branch loja foi deletada. Nosso repositório está limpo e cristalino!

Se já tivéssemos feito algum commit na branch loja, ao executarmos

git branch -d loja teríamos como resposta:

error: The branch ’loja’ is not fully merged.

If you are sure you want to delete it, run ’git branch -D loja’.

Não é possível deletar com a opção -d uma branch que possui commits

ainda não aplicados em outras branches (veremos como mesclar branches

mais adiante).

Para removermos a branch loja se tivermos feito algum commit, deve-

mos utilizar a opção -D:

$ git branch -D loja

Teríamos na saída:

Deleted branch loja (was b92285b).

Agora sim! Os commits da branch loja seriam descartados e a branch

seria removida.

100

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

6.5

Comitando código em uma nova branch

Decidimos utilizar uma ferramenta para auxiliar na melhoria do design: o

Bootstrap.

A primeira coisa é certificar-nos que estamos na branch design, execu-

tando git checkout design.

Depois disso, vamos alterar o index.html, trocando nosso CSS feio

pelo CSS do Bootstrap e colocando o atributo class em algumas tags:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8" />

<meta name="description" content="Móveis ecológicos">

<meta name="keywords" content="moveis ecologicos">

<link rel="stylesheet"

href="http://netdna.bootstrapcdn.com/bootstrap/3.1.1/

css/bootstrap.min.css">

<title>Móveis Ecológicos</title>

<script src="js/principal.js"></script>

</head>

<body onload="trocaBanner();">

<div class="container">

<div class="jumbotron">

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<h2 id="mensagem"></h2>

<ul class="list-group">

<li class="list-group-item">

Móveis de garrafas PET

</li>

<li class="list-group-item">

Móveis de latinhas de alumínio

</li>

<li class="list-group-item">

Móveis de papelão

</li>

</ul>

</div>

</div>

101

Git e Github

6.5. Comitando código em uma nova branch

Casa do Código

</body>

</html>

Apenas com essas pequenas alterações, embelezamos um bocado nossa

página:

Figura 6.5: Página embelezada

Também vamos remover o nosso CSS antigo, para não ficarmos com có-

digo obsoleto, executando o comando git rm principal.css.

Agora, vamos adicionar à área de stage as alterações e comitá-las com o

comando git commit -am "Adicionando Bootstrap".

Na saída, será impresso:

[design 8f53065] Adicionando Bootstrap

2 files changed, 23 insertions(+), 19 deletions(-)

delete mode 100111 principal.css

Observe no texto anterior que foi exibido o nome da branch design, em

que estamos comitando.

Ao

executarmos

o

comando

git log -n 3 --oneline

--decorate --parents, teríamos:

8f53065 b92285b (HEAD, design) Adicionando Bootstrap

b92285b a5b9fce (master) Revert "Adicionando texto peculiar"

a5b9fce 2259f55 Adicionando texto peculiar

102

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

Note que a branch master ainda continua apontando para o commit de

código b92285b (Revert “Adicionando texto peculiar”).

Já a branch design passou a apontar para o novo commit, de código

8f53065 (Adicionando Bootstrap). Observe também que o HEAD aponta

para o mesmo commit.

Um gráfico representando o nosso commit na branch design seria:

Figura 6.6: Commit na branch design

6.6

Voltando para o master e fazendo uma al-

teração

Ainda não acabamos de embelezar a nossa página, mas nosso cliente nos ligou

pedindo que modificássemos os textos do banner. E pediu que publicássemos

urgentemente as alterações!

A primeira coisa que devemos fazer é voltar para a branch master, exe-

cutando o comando git checkout master.

Visualizando o estado do nosso repositório nesse ponto, teríamos:

103

Git e Github

6.6. Voltando para o master e fazendo uma alteração

Casa do Código

Figura 6.7: Voltando à branch master

Agora que estamos na branch master, vamos alterar os textos do banner

no arquivo principal.js:

var banners = ["Do lixo ao luxo!","Reaproveitar é aproveitar!"];

//restante do arquivo

Em seguida, vamos comitar nossas alterações com o comando git

commit -am "Alterando textos do banner". Teríamos na saída:

[master 2223859] Alterando textos do banner

1 file changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

Nesse ponto, nosso repositório estaria parecido com:

104

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

Figura 6.8: Novo commit na master

Note que a branch master está apontando para o commit 2223859 que

acabamos de realizar. Já a branch design continua apontando para o mesmo

commit que estava anteriormente.

Poderíamos então publicar com rapidez os novos banners sem as modi-

ficações de design, que ainda não foram aprovadas.

6.7

Mesclando alterações

Mostramos o novo design para o nosso cliente e ele gostou bastante. Pediu

para colocarmos no ar o que temos agora. E o mais rápido possível!

Temos duas alterações: os novos textos do banner, que estão na branch

master, e o embelezamento da página, que está na branch design.

Por isso, precisamos mesclar as alterações que fizemos na branch design

com as que fizemos na master. Identificar o que mudou, copiando e colando

na mão é um trabalho razoável, com alta chance de inserirmos um erro. Ainda

bem que o Git vai nos ajudar a fazer isso!

105

6.7. Mesclando alterações

Casa do Código

Verificando branches ainda não mescladas

Considerando que estamos na branch master, podemos verificar as

branches ainda não mescladas com a opção --no-merged do comando git

branch:

$ git branch --no-merged

Teríamos a seguinte saída:

design

Isso indica que há mudanças ainda não mescladas na branch design.

O comando git branch também tem a opção --merged. Se execu-

tássemos git branch --merged, teríamos:

* master

Mesclando alterações com merge

Para juntarmos todas as alterações que fizemos na branch design com

as da branch master, mesclando as duas, podemos utilizar o comando:

$ git merge design -m "Mesclando com a branch design"

Será exibida uma resposta semelhante à seguinte:

Removing principal.css

Merge made by the ’recursive’ strategy.

index.html

| 31 +++++++++++++++++++++++--------

principal.css | 11 -----------

2 files changed, 23 insertions(+), 19 deletions(-)

delete mode 100111 principal.css

Pronto!

Mudanças mescladas!

Ao executarmos o comando

git

branch --no-merged, não teríamos nenhuma resposta, indicando que

não há nenhuma branch não mesclada.

Note que, depois do merge, o arquivo principal.css foi removido e

as alterações que tínhamos realizado em index.html foram trazidas para

106

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

a nossa branch atual, a master. Observe também que os textos do banner

que modificamos continuam lá.

Se não tivéssemos informado uma mensagem através da opção -m, seria

aberto um editor de texto.

É importante saber que, quando é efetuado um merge, é criado um novo

commit com as alterações que estamos mesclando e com a mensagem que

informamos.

Podemos verificar esse novo commit de merge executando o comando

git log -n 4 --oneline --decorate --parents.

Teríamos na

saída:

e6b2f35 2223859 8f53065 (HEAD, master) Mesclando com a branch

design

2223859 b92285b Alterando textos do banner

8f53065 b92285b (design) Adicionando Bootstrap

b92285b a5b9fce Revert "Adicionando texto peculiar"

Observe que a branch master e o HEAD apontam para o commit de

merge, que é o último commit realizado, e que tem o código e6b2f35 e a

mensagem que havíamos informado.

Já a branch design continua apontando para o mesmo commit que es-

tava anteriormente.

É importante notar que o commit de merge ( e6b2f35) tem dois commits

pai: o commit 2223859, de mensagem “Alterando textos do banner”, e o

commit 8f53065, de mensagem “Adicionando Bootstrap”.

Visualizando o estado do nosso repositório depois do merge da branch

design na branch master, teríamos:

107

Git e Github

6.7. Mesclando alterações

Casa do Código

Figura 6.9: Merge de design na master

Há uma situação em que um git merge não irá gerar um commit

de merge: quando a branch de destino não teve nenhum commit a mais

desde que a branch a ser mesclada foi criada.

No nosso caso, se não tivéssemos feito o commit 2223859 (Alte-

rando textos do banner) na branch master, o merge com a branch

design seria basicamente apontar a master para onde a design

aponta: o commit 8f53065 (Adicionando Bootstrap).

Esse tipo de merge é chamado de fast-forward.

É possível evitar o uso de fast-forward, forçando a criação de um com-

mit de merge, utilizando a opção --no-ff do comando git merge.

Mesclando alterações com rebase

À medida que uma aplicação vai sendo desenvolvida, é natural isolarmos

partes do trabalho em branches. E quando algo estiver pronto, será feito um

merge do código e, por isso, teremos um novo commit de merge.

Para projetos com muitas branches e muitos merges, o histórico do repo-

sitório ficará repleto de commits de merge. Isso pode tornar bastante traba-

108

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

lhosas tarefas como revisão de código.

Há uma maneira alternativa de mesclar as alterações de duas branches que simplifica o histórico do projeto. Considerando que estamos na branch

master, em vez de utilizar git merge, é possível utilizar:

$ git rebase design

Na saída, deve aparecer algo como:

First, rewinding head to replay your work on top of it...

Applying: Alterando textos do banner

Pronto! Outra maneira de termos as mudanças mescladas! A resposta do

comando git branch --no-merged seria vazia, já que não há nenhuma

branch não mesclada.

As mensagens anteriores informam que o repositório foi rebobinado e

nosso trabalho refeito.

No nosso caso, o repositório voltou ao estado que estava ao criarmos a

branch design a partir da master.

Depois disso, foi aplicado o commit que fizemos na branch design.

Finalmente, foi aplicado o nosso último commit na master, as alterações

no texto dos banners.

Ao verificarmos o histórico do nosso repositório com o comando git

log -n 3 --oneline --decorate --parents, teríamos:

c05c05a 8f53065 (HEAD, master) Alterando textos do banner

8f53065 b92285b (design) Adicionando Bootstrap

b92285b a5b9fce Revert "Adicionando texto peculiar"

A branch design continua apontando para o commit que estava anteri-

ormente.

Já a branch master teve seu histórico refeito: foi criado um novo commit

com as alterações no texto dos banners, com código c05c05a.

Observe que o pai do novo commit c05c05a (Alterando textos do ban-

ner) é o commit 8f53065 (Adicionando Bootstrap), que tínhamos feito na

branch design.

109

Git e Github

6.7. Mesclando alterações

Casa do Código

Perceba que não houve commit de merge. O histórico de commits foi

linearizado.

Colocando o estado do nosso repositório após o rebase em um gráfico,

teríamos:

Figura 6.10: Rebase de design na master

No caso de um fast-forward basta apontar a branch de destino para o

commit mais novo da branch sendo mesclada.

No nosso caso, se não tivéssemos nenhum novo commit na branch

master, a mesclagem seria feita apontando a master para o mesmo

commit para o qual a design aponta. Dessa forma, o rebase não preci-

saria reescrever o histórico de commits.

Por isso, o git merge e o git rebase têm o mesmo efeito quando

há um fast-forward.

Mantendo o histórico da master intacto após um rebase

Evitar ao máximo alterações no histórico da master é uma prática bas-

tante adotada por usuários do Git.

Porém, nosso rebase anterior acabou deixando obsoleto o commit

2223859 (Alterando textos do banner), substituindo-o pelo commit

c05c05a, que tem o mesmo conteúdo.

110

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 6. Organizando o trabalho com branches

Poderíamos ter feito a integração das branches master e design com

rebase de maneira a deixar master intacta se tivéssemos feito nosso trabalho

de uma maneira ligeiramente diferente.

Primeiramente, teríamos que passar para a branch design com o co-

mando git checkout design.

Então, faríamos o rebase da branch master na design com o comando

git rebase master.

Após o rebase, o commit 8f53065 (Adicionando Bootstrap) da branch

design foi substituído, digamos, pelo commit de código e887c10.

Visualizando graficamente nosso repositório nesse momento, teríamos:

Figura 6.11: Rebase de master na design

É como se refizéssemos o commit base da branch design, o commit da

branch master que é ancestral do commit que fizemos em design (e de

todos que virão).

Antes do rebase, o commit base era o de código b92285b (Revert “Adi-

cionando texto peculiar”).

Depois que o rebase foi executado, o commit base passou a ser o último

commit da master, de código 2223859 (Alterando textos do banner).

O nome rebase vem da ideia de refazer o commit base de uma branch.

111

Git e Github

6.7. Mesclando alterações

Casa do Código

Para isso, o Git precisa criar novos commits, mudando os ancestrais de com-

mits anteriores.

Com a base da branch design refeita, é possível fazer um merge do tipo

fast-forward da design na branch master. Para tal, deveríamos ir para

a master executando git checkout master. Então, faríamos um git

merge design. O gráfico do repositório ficaria parecido com:

Figura 6.12: Merge fast-forward de design na master, após o rebase

Para saber mais: Qual usar? Um merge ou um rebase?

Utilizar merge mantém um registro fiel do que ocorreu com o nosso re-

positório, mas os commits de merge complicam tarefas como navegar pelo

código antigo e revisar código novo.

Já o rebase simplifica o histórico, mas perdemos informação sobre nosso

repositório e alguns commits são reescritos. No caso de conflitos, as coisas

podem ficar especialmente complicadas.

Não há uma resposta simples sobre a maneira ideal de mesclarmos alte-

rações com Git. Cada solução tem seus prós e contras.

Ao trabalharmos com branches remotas, nosso próximo assunto, surgem

novas questões.

112

Capítulo 7

Trabalhando em equipe com

branches remotas

Na dia a dia, dificilmente trabalhamos sozinhos. No capítulo 4 vimos como

trabalhar com repositórios remotos e no capítulo 5 vimos como utilizar o

GitHub, o que nos permite trabalhar em equipe de maneira consistente.

Trabalhar com branches, que vimos no capítulo 6, também é uma boa

maneira de organizar o trabalho em equipe. Mas quando trabalhamos com

repositórios remotos, surgem novas preocupações.

Lembrando dos repositórios remotos

No nosso repositório local moveis, temos o remote origin que aponta

para o GitHub, o que podemos verificar com o comando git remote -v:

origin

[email protected]:fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

7.1. Branches remotas

Casa do Código

(fetch)

origin

[email protected]:fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

(push)

O remote origin está apontando para um repositório lá do GitHub, que

também tem sua branch master. Precisamos de uma maneira de receber e

enviar commits para a branch master do GitHub.

7.1

Branches remotas

No Git, temos branches remotas que apontam para branches que estão nos repositórios remotos configurados.

Para diferenciá-las das branches locais, o nome de uma branch remota

é o nome do remote seguido do nome da branch. No nosso caso, a branch

master lá do GitHub tem o nome de origin/master, já que o remote

origin aponta para o GitHub.

Ao contrário de branches locais, que são movidas a cada commit, bran-

ches remotas só são movidas ao fazermos operações que envolvam comu-

nicação de rede como git push, git pull e também o comando git

fetch, que veremos mais adiante. Portanto, uma branch remota representa

a situação da última vez que houve comunicação com o repositório remoto.

Podemos listar as branches remotas passando a opção -r para o comando

git branch:

$ git branch -r

Teremos na saída:

origin/master

Se quisermos mostrar tanto as branches locais como as remotas, po-

demos utilizar o comando git branch -a.

Para vermos para quais commits as branches remotas estão apontando,

podemos utilizar o comando anterior com a opção -v:

114

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

$ git branch -r -v

Teremos:

origin/master b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Observe que a branch origin/master está apontando o commit de

código b92285b (Revert “Adicionando texto peculiar”).

Considerando que fizemos o merge da branch master com a branch

design no repositório local no capítulo 6, ao executarmos o comando git

log -n 4 --oneline --decorate --parents, teríamos:

e6b2f35 2223859 8f53065 (HEAD, master) Mesclando com a branch

design

2223859 b92285b Alterando textos do banner

8f53065 b92285b (design) Adicionando Bootstrap

b92285b a5b9fce (origin/master) Revert "Adicionando texto

peculiar"

Observe que a branch origin/master aponta para um commit anterior

às branches master e origin do repositório local.

Exibindo gráficos com o repositório lá do GitHub e o repositório local,

cada um com suas branches, ficaríamos com algo parecido com:

Figura 7.1: O repositório do GitHub não contém a branch design, apenas a sua

master

115

Git e Github

7.2. Compartilhando branches

Casa do Código

Figura 7.2: Repositório local tem as branches locais master e design e a remota origin/master

No fim das contas, tanto a branch master lá do GitHub como a nossa

branch origin/master apontam para o commit de código b92285b (Re-

vert “Adicionando texto peculiar”).

7.2

Compartilhando branches

A branch design ainda não existe lá no GitHub. Para compartilhá-la deve-

mos informar os nomes do remote e da branch para o comando git push:

$ git push origin design

Deverá aparecer uma resposta parecida com:

Counting objects: 5, done.

Delta compression using up to 4 threads.

Compressing objects: 100% (3/3), done.

Writing objects: 100% (3/3), 669 bytes | 0 bytes/s, done.

Total 3 (delta 1), reused 0 (delta 0)

To [email protected]:fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

* [new branch]

design -> design

O comando anterior envia para o remote origin os commits da branch

design.

116

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

Depois disso, podemos ver a branch design na página do nosso projeto

no GitHub.

Também podemos ver um gráfico das branches do repositório na

URL https://github.com/fulanodasilva/moveis-ecologicos/network (não

esqueça de trocar fulanodasilva pelo seu usuário.)

Nesse momento, se listarmos as branches remotas e locais com o comando

git branch -a -v, teríamos:

design

8f53065 Adicionando Bootstrap

* master

e6b2f35 Mesclando com a branch design

remotes/origin/design 8f53065 Adicionando Bootstrap

remotes/origin/master b92285b Revert "Adicionando texto

peculiar"

Observe que temos as branches locais master e design e as branches

remotas origin/master e origin/design.

Como acabamos de fazer o git push da branch origin/design, essa

branch remota e a branch local design estão apontando para o commit de

código 8f53065 (Adicionando Bootstrap).

Já a branch local master e a remota origin/master estão apontando

para commits diferentes.

Colocando o estado atual dos nossos repositórios local e do GitHub em

gráficos, teríamos:

117

Git e Github

Git e Github

7.3. Obtendo novas branches remotas em outros repositórios

Casa do Código

Figura 7.3: Branch design no GitHub

Figura 7.4: Branch remota origin/design no repositório moveis

7.3

Obtendo novas branches remotas em outros

repositórios

Para simular um outro membro do nosso time, vamos baixar o repositório

em uma outra pasta.

Primeiramente, devemos voltar à nossa pasta pessoal, executando cd ~.

118

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

Então,

vamos

clonar

o

repositório

em

um

diretório

chamado

outro,

executando

o

comando

git clone

[email protected]:fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

outro.

Depois de clonar o repositório, é importante entrar no diretório, com o

comando cd outro.

Se listarmos as branches locais e remotas com o comando git branch

-a -v, teremos:

* master

b92285b Revert "Adicionando texto

peculiar"

remotes/origin/design 8f53065 Adicionando Bootstrap

remotes/origin/master b92285b Revert "Adicionando texto

peculiar"

Note que temos a branch local master e as remotas origin/master

e origin/design.

Porém, não temos ainda uma branch local design. Se precisarmos tra-

balhar nessa branch no novo repositório outro, precisamos executar o se-

guinte comando:

$ git checkout -b design origin/design

O comando apresentará na saída algo como:

Branch design set up to track remote branch design from origin

by rebasing.

Switched to a new branch ’design’

Com o comando anterior, fizemos um git checkout de uma nova

branch local chamada design a partir da branch remota origin/design.

Agora estamos prontos para trabalhar no design da aplicação, se quiser-

mos.

Branches locais criadas a partir de branches remotas são chamadas de

tracking branches.

Se executarmos git branch -a -v novamente, teremos:

119

Git e Github

7.3. Obtendo novas branches remotas em outros repositórios

Casa do Código

* design

8f53065 Adicionando Bootstrap

master

b92285b Revert "Adicionando texto

peculiar"

remotes/origin/design 8f53065 Adicionando Bootstrap

remotes/origin/master b92285b Revert "Adicionando texto

peculiar"

Uma outra maneira, mais sucinta, de criar uma tracking branch é uti-

lizar a opção -t do comando git checkout.

No nosso caso, faríamos git checkout -t origin/design.

Seria criada localmente a tracking branch design relacionada com a

branch remota origin/design.

Depois de criada a tracking branch design no repositório outro, os

repositórios moveis e o do GitHub estariam inalterados.

Se visualizarmos o repositório outro, teríamos:

Figura 7.5: Tracking branch design no repositório outro

120

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

7.4

Enviando commits para o repositório cen-

tral

Vamos voltar para nosso diretório moveis, executando o comando cd

~/moveis.

Nosso repositório moveis está dois commits na frente da branch remota

origin/master.

Podemos verificar isso executando git status:

On branch master

Your branch is ahead of ’origin/master’ by 2 commits.

(use "git push" to publish your local commits)

nothing to commit, working directory clean

Se executarmos, git log -n 4 --oneline --decorate, teremos:

e6b2f35 (HEAD, master) Mesclando com a branch design

2223859 Alterando textos do banner

8f53065 (origin/design, design) Adicionando Bootstrap

b92285b (origin/master) Revert "Adicionando texto peculiar"

Então, para enviar as alterações na branch master para o repositório

remoto, devemos fazer:

$ git push origin master

Teremos como resposta algo como:

Counting objects: 10, done.

Delta compression using up to 4 threads.

Compressing objects: 100% (5/5), done.

Writing objects: 100% (6/6), 670 bytes | 0 bytes/s, done.

Total 6 (delta 3), reused 0 (delta 0)

To [email protected]:fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

b92285b..e6b2f35

master -> master

Depois disso, a branch master e a origin/master estarão apontando

para o commit de merge e6b2f35 (Mesclando com a branch design). É

possível nos certificarmos disso, executando git log -n 4 --oneline

--decorate novamente. Teríamos:

121

Git e Github

7.4. Enviando commits para o repositório central

Casa do Código

e6b2f35 (HEAD, origin/master, master) Mesclando com a branch

design

2223859 Alterando textos do banner

8f53065 (origin/design, design) Adicionando Bootstrap

b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Já no repositório outro, a branch master ainda continua apontando

para o commit b92285b (Revert “Adicionando texto peculiar”) e a branch

design continua apontando para o commit 8f53065 (Adicionando Boots-

trap).

O repositório outro não sofreu alterações. Já uma visualização do esta-

dos do repositórios moveis e do GitHub seria:

Figura 7.6: Commits de moveis foram recebidos pelo repositório do GitHub

122

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

Figura 7.7: Branch origin/master foi atualizada no repositório moveis

7.5

Obtendo commits de uma branch remota

Um novo commit

Digamos que outro desenvolvedor da nossa equipe esteja trabalhando em

uma página que lista móveis feitos a partir de garrafas PET. Todo trabalho

está sendo feito diretamente na branch master.

Para simular esse outro desenvolvedor, vamos utilizar nosso repositó-

rio outro. Retornaremos a esse repositório, executando o comando cd

~/outro.

Então, vamos nos certificar que estamos na branch master, executando

git checkout master.

Feito isso, vamos criar um arquivo moveis_pet.html com o seguinte

conteúdo:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8" />

<meta name="description"

content="Móveis ecológicos PET">

123

7.5. Obtendo commits de uma branch remota

Casa do Código

<meta name="keywords" content="moveis ecologicos pet">

<link rel="stylesheet" href="principal.css">

<title>Móveis Ecológicos de garrafas PET</title>

</head>

<body>

<h1>Móveis Ecológicos S. A.</h1>

<h2>Móveis de Garrafas PET</h2>

<p>Funcionais, baratos e amigos do meio ambiente.</p>

<ul>

<li>Sofás</li>

<li>Racks</li>

<li>Cadeiras</li>

<li>Mesas</li>

</ul>

</body>

</html>

Com o arquivo moveis_pet.html criado, vamos rastreá-lo com git

add moveis_pet.html e gravá-lo no repositório com git commit -m

"Adicionando página sobre móveis PET".

Se mostramos o histórico do repositório nesse ponto com git log -n

2 --oneline --decorate, teríamos:

e1b10ff (HEAD, master) Adicionando página sobre móveis PET

b92285b (origin/master) Revert "Adicionando texto peculiar"

Repare que a branch origin/master do repositório outro está no

commit b92285b (Revert “Adicionando texto peculiar”), apesar da branch

master lá do GitHub estar alguns commits na frente, no commit e6b2f35

(Mesclando com a branch design).

O repositório moveis e o do GitHub continuaram iguais. Já se visuali-

zarmos o estado do repositório outro após o commit, teríamos:

124

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

Figura 7.8: Branch master do repositório outro apontando para o novo com-

mit

Trazendo commits de um repositório remoto com fetch

Para obtermos os commits da branch remota origin/master no nosso

repositório outro, podemos executar o comando:

$ git fetch origin

Teremos como resposta algo como:

remote: Counting objects: 6, done.

remote: Compressing objects: 100% (5/5), done.

remote: Total 6 (delta 1), reused 0 (delta 0)

Unpacking objects: 100% (6/6), done.

From github.com:fulanodasilva/moveis-ecologicos

b92285b..e6b2f35

master

-> origin/master

Com o comando git fetch, trazemos os commits de uma branch re-

mota que ainda não estavam presentes localmente.

No nosso caso, obtemos os commits 2223859 (Alterando textos do ban-

ner) e e6b2f35 (Mesclando com a branch design) que estavam lá no GitHub

mas ainda não estavam na branch origin/master.

125

Git e Github

Git e Github

7.5. Obtendo commits de uma branch remota

Casa do Código

Porém, os novos commits da branch remota origin/master ainda não

foram aplicados na branch local master, o que podemos constatar execu-

tando o comando git branch -a -v:

design

8f53065 Adicionando Bootstrap

* master

e1b10ff Adicionando página sobre móveis

PET

remotes/origin/design 8f53065 Adicionando Bootstrap

remotes/origin/master e6b2f35 Mesclando com a branch design

Observe que a branch master ainda continua apontando para o com-

mit e1b10ff (Adicionando página sobre móveis PET). É importante notar

que os novos commits ainda não foram aplicados após executarmos o git fetch.

Depois de obter os commits da branch origin/master, o gráfico do

repositório outro ficaria:

Figura 7.9: Commits remotos obtidos na branch origin/master de outro

126

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

7.6

Mesclando branches remotas e locais

Mesclando branches remotas e locais com merge

No repositório

outro, temos alguns commits na branch remota

origin/master que ainda não foram aplicados na branch master.

Como fazer para mesclar as duas branches? Será que mesclar uma branch

remota a uma local precisa de algum comando especial?

Não! Basta usarmos uma das duas maneiras de mesclar branches no Git:

um merge ou um rebase.

Se escolhermos fazer um merge e estivermos na branch master, basta

executarmos:

$ git merge origin/master -m "Mesclando origin/master em master"

Se não informarmos uma mensagem para o commit de merge, será

aberto um editor de texto.

Na saída, teríamos:

Removing principal.css

Merge made by the ’recursive’ strategy.

index.html

| 29 +++++++++++++++++++++--------

js/principal.js |

2 +-

principal.css

| 11 -----------

3 files changed, 22 insertions(+), 20 deletions(-)

delete mode 100111 principal.css

Pronto! Já temos as mudanças lá do GitHub aplicadas na branch local

master do repositório outro.

Se

executarmos

git log -n 6 --oneline --decorate

--parents, teremos:

550e27d e1b10ff e6b2f35 (HEAD, master) Mesclando origin/master

em master

e1b10ff b92285b Adicionando página sobre móveis PET

127

Git e Github

Git e Github

7.6. Mesclando branches remotas e locais

Casa do Código

e6b2f35 2223859 8f53065 (origin/master) Mesclando com a branch

design

2223859 b92285b Alterando textos do banner

8f53065 b92285b (origin/design, design) Adicionando Bootstrap

b92285b a5b9fce Revert "Adicionando texto peculiar"

Se não houvesse nenhum novo commit na branch local master do

repositório outro, a master teria um fast-forward, sendo simples-

mente movida para apontar para o mesmo commit da branch remota

origin/master.

Nenhuma alteração teria acontecido no repositório moveis e do GitHub.

Agora, um gráfico do histórico anterior do repositório outro seria:

Figura 7.10: Merge de origin/master na branch master do repositório outro

Mesclando branches remotas e locais com rebase

A alternativa ao merge seria um rebase da branch origin/master na

128

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

branch master. Para isso, devemos executar:

$ git rebase origin/master

Teríamos como resposta:

First, rewinding head to replay your work on top of it...

Applying: Adicionando página sobre móveis PET

As mudanças lá do GitHub foram aplicadas na branch local master do

repositório outro, mas não houve commit de merge.

O histórico do repositório foi linearizado, o que podemos observar exe-

cutando git log -n 5 --oneline --decorate --parents:

0f8d4b3 e6b2f35 (HEAD, master) Adicionando página sobre móveis

PET

e6b2f35 2223859 8f53065 (origin/master) Mesclando com a branch

design

2223859 b92285b Alterando textos do banner

8f53065 b92285b (origin/design, design) Adicionando Bootstrap

b92285b a5b9fce Revert "Adicionando texto peculiar"

Observe que o commit com mensagem “Adicionando página sobre mó-

veis PET” foi refeito, ficando com o código 0f8d4b3, após serem aplicados

os commits de origin/master.

Em geral, não queremos alterar o histórico de commits da branch lo-

cal master. Mas é mais importante ainda evitar mudanças nos commits

da branch remota origin/master, que é compartilhada por todos os

membros da nossa equipe.

Uma alternativa bastante utilizada é não comitar diretamente na

branch local master, mas em uma outra branch local específica para

a funcionalidade sendo desenvolvida.

Então, faríamos o rebase da

origin/master nessa outra branch local, que teria seu histórico mo-

dificado. Dessa forma, a master ficaria intacta.

Ao final da funcionalidade, a branch local da funcionalidade teria um

merge feito na branch local master.

129

Git e Github

7.6. Mesclando branches remotas e locais

Casa do Código

O repositório moveis e o do GitHub não sofreram mudanças. Visuali-

zando a situação do repositório outro, teríamos:

Figura 7.11: Rebase de origin/master na branch master do repositório outro

Obtendo commits e mesclando de uma vez com pull

Para obtermos e mesclarmos os novos commits de uma branch remota

com uma branch local poderíamos ter usado um comando só:

$ git pull

Será aberto um editor de texto para que seja informada a mensagem do

commit de merge.

Na saída, teremos algo como:

remote: Counting objects: 6, done.

remote: Compressing objects: 100% (5/5), done.

Unpacking objects: 100% (6/6), done.

remote: Total 6 (delta 1), reused 0 (delta 0)

From github.com:fulanodasilva/moveis-ecologicos

b92285b..e6b2f35

master

-> origin/master

Removing principal.css

Merge made by the ’recursive’ strategy.

index.html

| 29 +++++++++++++++++++++--------

js/principal.js |

2 +-

130

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

principal.css

| 11 -----------

3 files changed, 22 insertions(+), 20 deletions(-)

delete mode 100111 principal.css

O comando anterior vai ter o mesmo efeito de um git fetch origin

seguido de um git merge origin/master.

Se desejássemos que o git pull tivesse um efeito parecido com git

fetch origin seguido de um git rebase origin/master, podería-

mos ter passado a opção --rebase:

$ git pull --rebase

Teríamos como resposta:

remote: Counting objects: 6, done.

remote: Compressing objects: 100% (5/5), done.

remote: Total 6 (delta 1), reused 0 (delta 0)

Unpacking objects: 100% (6/6), done.

From github.com:fulanodasilva/moveis-ecologicos

b92285b..e6b2f35

master

-> origin/master

First, rewinding head to replay your work on top of it...

Applying: Adicionando página sobre móveis PET

Para saber mais: Qual usar? Um pull ou um pull --rebase?

Usar git pull ou git pull --rebase ao mesclar com mudanças

remotas é uma questão parecida com a de se devemos usar git merge ou

git rebase para mesclagens locais.

O comando git pull, não passa de um git fetch seguido de um

git merge. Por isso, temos as mesmas vantagens e desvantagens do merge,

mas agora considerando repositórios remotos. Como vantagem, temos um

registro fiel do que aconteceu em cada repositório da nossa equipe, com os

commits exatos. Mas, como desvantagem, os vários commits de merge com-

plicam o entendimento do histórico do projeto, afetando tarefas como nave-

gar por código antigo e revisar código novo. Em times grandes, um histórico

complicado pode tornar o trabalho bastante desafiador.

Na figura a seguir, há um pequeno trecho do histórico de um projeto real

em que um dos autores trabalharam, com detalhes omitidos. Fica clara a con-

fusão ocasionada pelos commits de merge:

131

Git e Github

7.6. Mesclando branches remotas e locais

Casa do Código

Figura 7.12: Commits de merge em um projeto real

Já o comando git pull --rebase é um git fetch seguido de um

git rebase. O histórico é linearizado, simplificando nosso trabalho. Po-

rém, a cada rebase alguns commits são reescritos e, no fim das contas, estamos perdendo informações sobre nosso repositório. Quando acontecem conflitos,

corrigi-los pode ser bastante complicado.

O rebase pode ser especialmente problemático se acabarmos mudando

um commit já compartilhado com outros membros da nossa equipe. Nossos

colegas podem sofrer na hora de obter os commits modificados, já que o Git

pode se perder.

Não parece uma boa solução usar sempre o merge ou sempre o rebase.

Um meio termo parece algo mais sensato!

Nossa sugestão é a seguinte:

• Utilizar um git pull --rebase para obter mudanças remotas. É

uma prática segura porque nossos novos commits locais ainda não fo-

ram compartilhados, ou seja, outros membros nem sabem da existência

desses commits. Por isso, alterá-los não traz grandes problemas.

• Ao trabalharmos em uma nova funcionalidade utilizando uma branch,

marcamos sua entrega fazendo um merge. Assim, conseguimos ter

uma boa ideia de quando a funcionalidade começou a ser desenvolvida

e quando foi reintegrada à branch master.

132

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

• Se estivermos trabalhando sozinhos na nova funcionalidade, podemos

fazer rebases periódicos da master na nossa branch para obter código

novo, porém deixando o histórico da branch bem limpo.

• É interessante fazer o push da nossa branch solitária em um repositório

remoto, para backup. Mas é importante evitar que alguém faça chec-

kout.

Uma discussão detalhada pode ser encontrada em:

http://blog.

sourcetreeapp.com/2012/08/21/merge-or-rebase/

7.7

Deletando branches remotas

Vamos dizer que nosso cliente solicitou que fizéssemos uma página de conta-

tos que permite ao usuário do site envio de mensagens.

Para implementar essa solicitação, trabalharemos em uma nova branch

chamada contato. Para criá-la e já começar a trabalhar nela, executamos o

comando git checkout -b contato. Teríamos como resposta:

Switched to a new branch ’contato’

Então, vamos iniciar o desenvolvimento criando um arquivo com o nome

contato.html e com o seguinte código:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8" />

<title>Entre em contato conosco</title>

</head>

<body>

<h1>Fale com a gente.</h1>

<p>Dúvidas, sugestões ou choramingos</p>

<form>

<label for="nome">Nome</label>

<input id="nome">

<label for="email">Email</label>

<input id="email">

133

7.7. Deletando branches remotas

Casa do Código

<label for="mensagem">Mensagem</label>

<textarea id="mensagem"></textarea>

<input type="submit" value="Enviar">

</form>

</body>

</html>

Vamos rastrear nosso novo arquivo com git add contato.html e

comitá-lo com git commit -m "Iniciando página de contato".

Mas surgiu uma nova demanda urgente! Temos que parar de trabalhar

na página de contato. Alguém do nosso time disse que iria dar seguimento.

Por isso, resolvemos compartilhar nossa branch executando:

git push

origin contato.

Pronto, a branch contato foi publicada e tem uma cópia lá no GitHub.

Ao executarmos o comando git branch -a -v, teríamos:

* contato

3523c62 Iniciando página de contato

design

8f53065 Adicionando Bootstrap

master

0f8d4b3 Adicionando página sobre móveis

PET

remotes/origin/contato 3523c62 Iniciando página de contato

remotes/origin/design

8f53065 Adicionando Bootstrap

remotes/origin/master

0f8d4b3 Adicionando página sobre móveis

PET

Mas nosso cliente, que é um pouco indeciso, voltou atrás e quis simplificar

o projeto, parando o desenvolvimento da página de contato e deixando apenas

o e-mail na página principal.

Devido a essa mudança nos requisitos, resolvemos remover nossa branch

contato mudando para a branch master do nosso repositório e execu-

tando o comando git branch -D contato.

Mas quando executamos o comando anterior, removemos apenas a

branch local contato. Lá no GitHub, a branch contato continua intacta.

E a nossa branch remota origin/contato, que aponta para a branch cor-

respondente do GitHub, também continua no nosso repositório.

Podemos constatar isso executando novamente o comando git branch

-a -v:

134

Casa do Código

Capítulo 7. Trabalhando em equipe com branches remotas

design

8f53065 Adicionando Bootstrap

* master

0f8d4b3 Adicionando página sobre móveis

PET

remotes/origin/contato 3523c62 Iniciando página de contato

remotes/origin/design

8f53065 Adicionando Bootstrap

remotes/origin/master

0f8d4b3 Adicionando página sobre móveis

PET

Para removermos definitivamente a branch remota origin/contato e

a branch contato lá do GitHub, devemos executar:

$ git push origin :contato

Teríamos na saída:

To [email protected]:fulanodasilva/moveis-ecologicos.git

- [deleted]

contato

Pronto! Se olharmos no GitHub, a branch contato não aparece mais!

No caso da branch lá do servidor ter um nome diferente da branch

local, ao deletá-la devemos utilizar o nome da branch do servidor.

Por

exemplo,

se

a

branch

do

servidor

fosse

contato_do_servidor, deveríamos executar git push origin

:contato_do_servidor.

135

Capítulo 8

Controlando versões do código

com tags

Mostramos o novo design para o nosso cliente e foi um sucesso! Nosso cliente

pediu que colocássemos no ar a nova versão, o mais rápido possível.

Ao liberarmos essa nova versão do site para implantação em produção, é

uma boa prática tirarmos uma foto do código nesse momento. Se houver algum erro, saberemos exatamente o código que está sendo usado em produção

e será mais fácil caçar a origem da falha.

Em sistemas de controle de versão, essas fotos de um determinado ins-

tante de um repositório são chamadas de tags.

No Git, uma tag é simplesmente um apontador fixo para um commit es-

pecífico. Ao contrário de branches, esse apontador não avança com novos

commits.

Git e Github

8.1. Criando, listando e deletando tags

Casa do Código

Em geral, criamos tags com nomes como v1.0, v1.1, v2.0 e assim

por diante. Cada equipe deve definir o seu padrão.

Os nomes permitidos para tags e branches têm algumas restrições:

não podem conter alguns caracteres especiais como ~, ^ e :, além de

sequências de caracteres como .. e @{.

Os detalhes podem ser obtidos em:

http://git-scm.com/docs/

git-check-ref-format.html

8.1

Criando, listando e deletando tags

Para criarmos uma tag v1.0 no Git, devemos executar o comando:

$ git tag v1.0

O gráfico do nosso repositório local outro depois do comando anterior

ficaria parecido com:

Figura 8.1: Nova tag no repositório outro

Se quisermos listar as tags do nosso repositório, basta executarmos:

$ git tag

Teríamos como resposta:

138

Casa do Código

Capítulo 8. Controlando versões do código com tags

v1.0

Se verificarmos o histórico do repositório com o comando git log -n

5 --oneline --decorate, veremos:

0f8d4b3 (HEAD, tag: v1.0, master) Adicionando página sobre

móveis PET

e6b2f35 (origin/master) Mesclando com a branch design

2223859 Alterando textos do banner

8f53065 (origin/design, design) Adicionando Bootstrap

b92285b Revert "Adicionando texto peculiar"

Observe que o commit 0f8d4b3 possui a tag v1.0.

Podemos criar uma tag para um commit passado. Se quisermos criar uma

tag chamada banners para o commit 2223859 (Alterando textos do ban-

ner), devemos executar:

$ git tag banners 2223859

Imagine que tenhamos errado o nome de uma tag. Por exemplo, criamos

a tag verssao1 com o comando git tag verssao1. Podemos deletá-la

com o comando:

$ git tag -d verssao1

Na saída, teremos:

Deleted tag ’verssao1’ (was 0f8d4b3)

8.2

Mais informações com tags anotadas

As tags que acabamos de criar são chamadas de tags leves, porque não passam

de um simples apontador fixo para um commit.

Se desejarmos manter mais informações como quando uma tag foi criada,

quem a criou, além de termos uma mensagem descritiva, devemos criar tags

anotadas.

Para criarmos uma tag anotada, basta usarmos a opção -a do comando

git tag e informar uma mensagem com a opção -m:

139

8.3. Compartilhando tags com a sua equipe

Casa do Código

$ git tag -a v1.1 -m "Liberando versão urgente"

Se não informarmos uma mensagem ao utilizarmos a opção -a do

comando git tag, será aberto um editor de texto.

Podemos exibir as informações de uma tag anotada com o comando:

$ git show -s v1.1

Teríamos como resposta detalhes sobre a criação da tag anotada, além de

informações sobre o commit para o qual a tag aponta:

tag v1.1

Tagger: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Sun Jun 22 13:49:13 2014 -0300

Liberando versão urgente

commit 0f8d4b3000000000000000000000000000000000

Author: Fulano da Silva <[email protected]>

Date:

Fri Jun 13 17:14:16 2014 -0300

Adicionando página sobre móveis PET

O comando git show não serve apenas para exibir informações de

tags.

É possível utilizá-lo para inspecionar commits e outros detalhes in-

ternos do Git.

8.3

Compartilhando tags com a sua equipe

As tags criadas com o comando git tag, anotadas ou não, ficam disponíveis

apenas no repositório local.

Quando estamos trabalhando em equipe, em geral queremos comparti-

lhar as tags que criamos com nossos colegas, enviando-as para o repositório

do servidor. No nosso caso, enviaríamos as tags que criamos para o GitHub.

140

Casa do Código

Capítulo 8. Controlando versões do código com tags

Para compartilhar tags, fazemos de maneira parecida com o que fizemos

com branches, utilizando o comando git push. Para compartilhar a tag

v1.0, devemos executar o comando:

$ git push origin v1.0

Será exibido algo como:

Counting objects: 13, done.

Delta compression using up to 4 threads.

Compressing objects: 100% (8/8), done.

Writing objects: 100% (9/9), 1.20 KiB | 0 bytes/s, done.

Total 9 (delta 4), reused 0 (delta 0)

To [email protected]:fulanodasilva/moveis.git

* [new tag]

v1.0 -> v1.0

Pronto! A tag v1.0 foi enviada para o repositório remoto origin. Nos-

sos colegas de equipe poderão obter essa tag quando executarem o comando

git pull.

Mas ainda temos outras tags para compartilhar: as tags banners e v1.1.

Executar o comando git push para cada tag é algo bastante tedioso.

Se quisermos enviar todas as novas tags do repositório local para um

repositório remoto podemos utilizar o comando git push com a opção

--tags:

$ git push origin --tags

Na saída, teremos:

Counting objects: 1, done.

Writing objects: 100% (1/1), 181 bytes | 0 bytes/s, done.

Total 1 (delta 0), reused 0 (delta 0)

To [email protected]:fulanodasilva/moveis.git

* [new tag]

banners -> banners

* [new tag]

v1.1 -> v1.1

Se olharmos no GitHub, veremos que nossas tags estão lá!

141

Capítulo 9

Lidando com conflitos

Ao mesclarmos mudanças entre duas branches locais no capítulo 6 e entre

uma branch local e uma remota no capítulo 7, o Git soube fazer essa mescla-

gem automaticamente, sem qualquer problema.

Comparado com outros sistemas de controles de versão, o Git é especial-

mente bom ao juntar mudanças de duas branches diferentes.

Nos capítulos anteriores, fizemos mudanças em arquivos diferentes, o que

o Git resolve com facilidade. Até mudanças em um mesmo arquivo podem

ser resolvidas.

Mas mesmo o Git não consegue fazer milagres!

9.1. Mesclando mudanças em um mesmo arquivo sem conflitos

Casa do Código

9.1

Mesclando mudanças em um mesmo arquivo

sem conflitos

Nosso cliente ligou desesperado dizendo que descobriu um erro importante

no site: estava faltando o acrônimo “S. A.” no título da página.

Precisando atendê-lo com urgência, fizemos a seguinte modificação na

branch master, no arquivo index.html:

<!-- início do arquivo ... -->

<head>

<!-- tags meta e link ... -->

<title>Móveis Ecológicos S. A.</title>

<!-- tag script -->

</head>

<!-- restante do arquivo ... -->

Com a alteração feita, comitamos o arquivo index.html com o co-

mando git commit -am "Corrigindo título da página". Obti-

vemos na saída:

[master 1963258] Corrigindo título da página

1 file changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

Outra coisa que nosso cliente nos informou é que a página da Móveis

Ecológicos S. A. estava sendo copiada por outras empresas do ramo.

Sugerimos algumas soluções para minimizar o problema mas nosso cli-

ente decidiu por uma maneira simples: colocar um rodapé na página com o

símbolo de copyright. Mas o rodapé teria que ser bonito, “o rodapé mais belo de todos os tempos”, segundo nosso cliente.

Para podermos trabalhar com calma em busca do rodapé perfeito, pas-

sando a trabalhar na branch design depois de executar o comando git

checkout design.

Depois de algum esforço chegamos a um design utilizando classes do fra-

mework CSS Bootstrap. Modificamos o arquivo index.html conforme a

seguir:

<!-- inicio do arquivo -->

<p class="text-muted text-right">

144

Casa do Código

Capítulo 9. Lidando com conflitos

© Copyright Móveis Ecológicos S. A.

</p>

<div>

</body>

</html>

Então, adicionamos a mudança e a gravamos no repositório com o co-

mando git commit -am "Adicionando rodapé com copyright".

Na saída, foi mostrado:

[design 0e2d613] Adicionando rodapé com copyright

1 file changed, 3 insertions(+)

Listando o histórico dos últimos dois commits com o comando git log

-n 2 --oneline --decorate --all, teríamos:

0e2d613 (HEAD, design) Adicionando rodapé com copyright

1963258 (master) Corrigindo título da página

O commit de código 0e2d613 (Adicionando rodapé com copyright)

ainda não foi mesclado na master.

Vamos voltar para a branch master executando o comando git

checkout master.

Agora, vamos fazer o merge da branch design na master com o

comando git merge design -m "Merge de design na master".

Teremos como resposta:

Auto-merging index.html

Merge made by the ’recursive’ strategy.

index.html | 3 +++

1 file changed, 3 insertions(+)

Se observarmos o conteúdo do arquivo index.html, o conteúdo está

de acordo com as últimas alterações: o título da página foi atualizado e foi

inserido um rodapé com informações de copyright.

O Git conseguiu fazer o merge automático, mesclando sem problemas

alterações no arquivo index.html das branches design e master. Isso

aconteceu porque alteramos o arquivo em áreas distintas.

145

9.2. Conflitos após um merge com mudanças em um mesmo arquivo Casa do Código

Se tivéssemos feito um git rebase design para mesclar as alte-

rações da branch design na master, também não teríamos nenhum

conflito.

No caso das alterações serem feitas em uma branch remota, podería-

mos utilizar um git pull ou um git pull --rebase sem nenhum

conflito.

9.2

Conflitos após um merge com mudanças em

um mesmo arquivo

Deixamos nosso cliente satisfeito. E com a satisfação surgiram novas ideias!

Uma das coisas que nosso cliente pediu foi colocar um texto bastante cri-

ativo no topo da página. E solicitou que a mudança fosse urgente!

Por isso, na branch master, editamos o arquivo index.html inserindo

logo abaixo da tag h2 o seguinte parágrafo:

<!-- inicio do arquivo até tag h2-->

<p>Do lixo ao luxo, um resgate do descartado e uma transformação

em algo funcional. Reaproveitar é aproveitar. Coisas descartadas

são nossa carta na manga. Erodido, mas único.</p>

<!-- ul e restante do arquivo -->

Na branch

master, comitamos as alterações no

index.html

executando o comando

git commit -am "Adicionando texto

criativo". Temos como resposta:

[master 9333339] Adicionando texto criativo

1 file changed, 3 insertions(+)

Outro pedido do nosso cliente foi melhorar o design do banner, de ma-

neira a destacá-los.

Para trabalhar nessa demanda, mudamos para a branch design execu-

tando o comando git checkout design.

Pesquisamos um pouco e resolvemos utilizar um recurso do Boots-

trap para embelezar o banner. Na branch design, editamos o arquivo

index.html, inserindo as seguintes classes CSS na tag h2:

146

Casa do Código

Capítulo 9. Lidando com conflitos

<!-- inicio do arquivo até tag h1-->

<h2 id="mensagem" class="alert alert-info"></h2>

<!-- ul e restante do arquivo -->

Depois disso, na branch design, comitamos as alterações no arquivo

index.html executando o comando git commit -am "Melhorando

design do banner". Na saída, tivemos:

[design 5555222] Melhorando design do banner

1 file changed, 1 insertion(+), 1 deletion(-)

Ainda na branch design, ao exibirmos o histórico dos últimos dois

commits do repositório com o comando

git log -n 2 --oneline

--decorate --all, teríamos:

5555222 (HEAD, design) Melhorando design do banner

9333339 (master) Adicionando texto criativo

Note que o commit de código 5555222 (Melhorando design do banner)

ainda não teve suas alterações aplicadas na branch master.

Executando o comando git checkout master, voltamos a trabalhar

na branch master.

Para mesclarmos o último commit da branch design na master, exe-

cutamos o comando git merge design -m "Merge de design na

master". Na saída, teremos:

Auto-merging index.html

CONFLICT (content): Merge conflict in index.html

Automatic merge failed;fix conflicts and then commit the result.

Observe a mensagem anterior: foi indicado que houve um conflito no

arquivo index.html e que o merge automático falhou.

Se abrirmos o arquivo index.html veremos um conteúdo estranho:

<!-- inicio do arquivo arquivo até h1 -->

<<<<<<< HEAD

<h2 id="mensagem"></h2>

<p>Do lixo ao luxo, um resgate do descartado e uma transformação

147

9.2. Conflitos após um merge com mudanças em um mesmo arquivo Casa do Código

em algo funcional. Reaproveitar é aproveitar. Coisas descartadas

são nossa carta na manga. Erodido, mas único.</p>

=======

<h2 id="mensagem" class="alert alert-info"></h2>

>>>>>>> design

<!-- ul e restante do arquivo -->

Mesmo sendo muito bom para fazer o merge automático, dessa vez o Git

não conseguiu mesclar o arquivo index.html de maneira clara porque fo-

ram feitas alterações na mesma região do arquivo.

De forma cautelosa, o Git marcou um conflito com os caracteres <, = e

>.

Entre os textos <<<<<<< HEAD e ======= estão as alterações que fizemos na branch master, que é a branch atual, para qual o HEAD está apon-

tando.

Já entre ======= e >>>>>>> design, estão as alterações que fizemos na branch design.

Ao executarmos git status, teremos:

On branch master

Your branch is ahead of ’origin/master’ by 5 commits.

(use "git push" to publish your local commits)

You have unmerged paths.

(fix conflicts and run "git commit")

Unmerged paths:

(use "git add <file>..." to mark resolution)

both modified:

index.html

no changes added to commit (use "git add" and/or

"git commit -a")

Note que o arquivo index.html aparece como não mesclado, como both

modified sob Unmerged paths (nomes não muito intuitivos).

Agora teremos que realizar o merge manualmente. Nesse caso, a solução

é fácil. Vamos editar o arquivo index.html da seguinte maneira:

148

Casa do Código

Capítulo 9. Lidando com conflitos

<!-- inicio do arquivo arquivo até h1 -->

<h2 id="mensagem" class="alert alert-info"></h2>

<p>Do lixo ao luxo, um resgate do descartado e uma transformação

em algo funcional. Reaproveitar é aproveitar. Coisas descartadas

são nossa carta na manga. Erodido, mas único.</p>

<!-- ul e restante do arquivo -->

Mesmo depois de editar o arquivo, removendo as marcações de conflito

e mesclando manualmente as alterações, ainda teremos a mesma resposta de

antes ao executarmos git status.

Para informarmos para o Git que resolvemos o conflito no arquivo, temos

que adicioná-lo à área de stage executando git add index.html.

Agora, ao executarmos git status, teremos:

On branch master

Your branch is ahead of ’origin/master’ by 5 commits.

(use "git push" to publish your local commits)

All conflicts fixed but you are still merging.

(use "git commit" to conclude merge)

Changes to be committed:

modified:

index.html

Repare que o arquivo index.html aparece como modificado e está

pronto para ser comitado.

Depois disso, falta comitarmos as mudanças com o comando git

commit -am "Resolvendo conflitos após merge de design".

Como resposta, veremos:

[master 4444344] Resolvendo conflitos após merge de design

Pronto! Conflito resolvido. Finalmente o merge foi finalizado.

Nossa página ficou com um visual bem razoável:

149

Git e Github

9.3. Resolvendo conflitos após um rebase

Casa do Código

Figura 9.1: Página embelezada

9.3

Resolvendo conflitos após um rebase

E se tivéssemos utilizado um rebase para mesclar as últimas mudanças da

branch design na master?

Devemos unir o commit 5555222 (Melhorando design do banner) da

branch design com o commit 9333339 (Adicionando texto criativo) da

branch master. Mas ambos alteram o topo do arquivo index.html, o que

gera um conflito.

Considerando que estamos na branch master, após executar o comando

git rebase design, veríamos:

First, rewinding head to replay your work on top of it...

Applying: Alterando textos do banner

Applying: Adicionando página sobre móveis PET

Applying: Corrigindo título da página

Applying: Adicionando texto criativo

Using index info to reconstruct a base tree...

M

index.html

Falling back to patching base and 3-way merge...

150

Casa do Código

Capítulo 9. Lidando com conflitos

Auto-merging index.html

CONFLICT (content): Merge conflict in index.html

Failed to merge in the changes.

Patch failed at 0004 Adicionando texto criativo

The copy of the patch that failed is found in:

/home/fulanodasilva/moveis/.git/rebase-apply/patch

When you have resolved this problem, run "git rebase

--continue".

If you prefer to skip this patch, run "git rebase --skip"

instead.

To check out the original branch and stop rebasing, run

"git rebase --abort".

Observe que que aparece um conflito no arquivo index.html.

Ao executarmos o comando git status, teríamos:

rebase in progress; onto 5555222

You are currently rebasing branch ’master’ on ’5555222’.

(fix conflicts and then run "git rebase --continue")

(use "git rebase --skip" to skip this patch)

(use "git rebase --abort" to check out the original branch)

Unmerged paths:

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

(use "git add <file>..." to mark resolution)

both modified:

index.html

no changes added to commit (use "git add" and/or "git commit -a") De maneira semelhante ao que aconteceu após o conflito no merge, o arquivo index.html aparece em Unmerged paths como both modified. Apesar da descrição pouco intuitiva, isso indica que há um conflito nesse arquivo.

Ao abrirmos o arquivo index.html veremos as mesmas marcações de

conflito com os textos <<<<<<< HEAD, ======= e >>>>>>> design.

Devemos mesclar o arquivo index.html manualmente, removendo as

marcações de conflito, conforme fizemos anteriormente.

151

9.4. Usando uma ferramenta para resolver conflitos

Casa do Código

Para marcar a resolução do conflito, devemos executar

git add

index.html.

Depois disso, ao executar git status, teríamos:

rebase in progress; onto 5555222

You are currently rebasing branch ’master’ on ’5555222’.

(all conflicts fixed: run "git rebase --continue")

Changes to be committed:

(use "git reset HEAD <file>..." to unstage)

modified:

index.html

Para finalizar o rebase, teríamos que executar ainda:

$ git rebase --continue

Pronto! Finalmente finalizamos nosso rebase conflitante! Ufa!

Se quiséssemos abortar o rebase, voltando à situação antes da tenta-

tiva de mesclagem, poderíamos executar git rebase --abort.

Também poderíamos simplesmente ignorar o commit que gerou o

conflito, pulando-o, executando git rebase --skip. Essa opção

tem que ser usada com cuidado. Só faz sentido quando exatamente a

mesma alteração foi feita na branch sendo mesclada.

9.4

Usando uma ferramenta para resolver con-

flitos

O conflito que acabamos de resolver foi bem fácil. Visualizar o arquivo para

decidir como mesclar as diferentes versões não demandou grande esforço.

Porém, algumas vezes temos conflitos bem desafiadores, em que é difícil

visualizar cada trecho conflitante do arquivo.

Além disso, podemos ter vários arquivos com conflito para serem soluci-

onados.

152

Casa do Código

Capítulo 9. Lidando com conflitos

Experiência no código que está sendo desenvolvido e calma são funda-

mentais para não inserirmos erros ao resolver conflitos.

Mas utilizar uma ferramenta apropriada pode auxiliar na rapidez de re-

solução de conflitos.

Com Git, podemos invocar uma ferramenta de resolução de conflitos com

o comando:

$ git mergetool

Seriam exibidas mensagens parecidas com:

This message is displayed because ’merge.tool’ is not

configured.

See ’git mergetool --tool-help’ or ’git help config’ for more

details. ’git mergetool’ will now attempt to use one of the

following tools: meld opendiff kdiff3 tkdiff xxdiff

tortoisemerge gvimdiff diffuse diffmerge ecmerge p4merge araxis

bc3 codecompare emerge vimdiff

Merging:

index.html

Normal merge conflict for ’index.html’:

{local}: modified file

{remote}: modified file

Hit return to start merge resolution tool (meld):

Leia com atenção a mensagem anterior. Repare que o Git listou algumas

ferramentas para resolução de conflitos como Meld (http://meldmerge.org) , bem simples e efetiva que funciona em Windows, Mac OS e Linux, TortoiseMerge (http://tortoisesvn.net/TortoiseMerge.html) , bastante utilizada mas

só para Windows, entre outras.

Alguma das ferramentas listadas anteriormente será procurada e invo-

cada.

Na mensagem anterior, foi indicada a ferramenta Meld. Pressionando a

tecla Enter, a ferramenta é aberta:

153

Git e Github

9.4. Usando uma ferramenta para resolver conflitos

Casa do Código

Figura 9.2: Meld, ferramenta de resolução de conflitos

Para definir uma ferramenta padrão para resolução de conflitos po-

demos utilizar a configuração merge.tool.

Por exemplo, para sempre utilizar o Meld, poderíamos executar git

config --global merge.tool meld. O comando meld deve es-

tar no PATH do sistema operacional.

No Meld, o arquivo index.html foi aberto à esquerda com o conteúdo

da master, à direita com o conteúdo da branch design e no centro com

o conteúdo anterior às duas modificações conflitantes. Devemos editar o ar-

quivo do centro

Depois de resolvido o conflito usando o Meld e salvar o arquivo, se exe-

cutarmos git status, teremos:

On branch master

Your branch is ahead of ’origin/master’ by 5 commits.

(use "git push" to publish your local commits)

All conflicts fixed but you are still merging.

154

Casa do Código

Capítulo 9. Lidando com conflitos

(use "git commit" to conclude merge)

Changes to be committed:

modified:

index.html

Untracked files:

(use "git add <file>..." to include in what will be committed) index.html.orig

Note que o arquivo

index.html está entre as mudanças prontas

para serem comitadas. Além disso, foi criado um novo arquivo chamado

index.html.orig com o conteúdo original, antes do conflito ser resolvido.

O arquivo index.html.orig pode ser apagado.

Podemos, então, comitar o arquivo

index.html agora sem con-

flitos, executando git commit -am "Resolvendo conflitos após

merge de design". Na saída, teremos:

[master 1111114] Resolvendo conflitos após merge de design

155

Capítulo 10

Maneiras de trabalhar com Git

No capítulo 3, vimos como trabalhar com um repositório local do Git, criando

uma “máquina do tempo” para o nosso código.

Já no capítulo 4, vimos como utilizar repositórios remotos para compar-

tilhar nosso código com os outros membros da nossa equipe, além de manter

um backup do repositório.

E no capítulo 5, utilizamos o Github para tornar nosso repositório remoto

acessível de qualquer lugar que tenha acesso à internet.

Depois, nos capítulos 6 e 7, utilizamos branches locais e remotas para

trabalhar em paralelo em diferentes funcionalidades de maneira organizada.

Estudamos também, no capítulo 8, como marcar as versões de nossas en-

tregas através de tags.

No capítulo 9 aprendemos como lidar com conflitos que acontecem ao

mesclar branches.

Casa do Código

Mas como usar tudo isso que aprendemos no seu projeto? Qual a melhor

maneira trabalhar com o Git no seu caso?

Modelos de distribuição de repositórios e de branches

O Git é um sistema de controle de versão distribuído. Temos localmente

uma cópia completa do repositório, que podemos compartilhar remotamente.

Além disso, podemos apontar para mais de um repositório remoto.

Por isso, uma das decisões que precisamos fazer é o modelo de distribui-

ção de repositórios a ser adotado, definindo como organizar os repositórios remotos. Os modelos mais utilizados são:

• Apenas um repositório remoto, central, para onde os repositórios locais

apontam;

• Cada desenvolvedor tem seu fork, um repositório remoto que é uma

cópia do projeto, utilizando um repositório central para integração;

• Uma hierarquia de repositórios para integração.

Ao contrário de outros sistemas de controle de versão, criar branches no

Git é algo muito leve e rápido. Além disso, o Git é muito bom em fazer mes-

clagens automáticas, o que encoraja o uso de branches.

Portanto, outra coisa que precisamos decidir é o modelo de branches a

ser utilizado no nosso projeto. Alguns dos modelos mais comuns são:

• Utilizar apenas a branch master;

• Ter uma branch para cada nova funcionalidade, deixando a master

para código pronto para ser entregue;

• Ter algumas branches por etapa de desenvolvimento, como uma branch

de longo prazo para código ainda em construção e uma de curto prazo

para correções de bugs urgentes.

Existem vários fluxos de trabalho possíveis ao se trabalhar com Git. Va-

mos estudar os mais comuns.

158

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

10.1

Utilizando só a branch master com um re-

positório central

Um dos fluxos de trabalho mais simples é utilizar apenas um repositório cen-

tral hospedado, por exemplo, no Github, comitando tudo diretamente na

branch local master.

Para enviar os commits locais, cada desenvolvedor faz um push para o re-

positório central. Por isso, todos os membros da equipe devem ter permissões

de push.

Figura 10.1: Repositório central só com master

Considerando que temos um repositório para o nosso projeto configu-

rado no Github, a primeira coisa seria fazer:

$ git clone https://github.com/empresa/projeto.git

Após o clone, temos uma cópia local completa do repositório.

Podemos, então, criar novos arquivos ou editar arquivos existentes.

Quando estivermos satisfeitos com o código, podemos adicionar as altera-

ções à área de stage e depois comitá-las na master, utilizando comandos

como:

$ git add .

$ git commit -m "Otimizando consulta a clientes"

159

10.1. Utilizando só a branch master com um repositório central Casa do Código

Depois de alguns commits, podemos compartilhar nosso trabalho com a

equipe:

$ git push origin master

Depois de termos publicado os novos commits, os outros desenvolvedo-

res podem obtê-los executando:

$ git pull --rebase origin master

Encorajamos o uso de um git pull --rebase ao obter mudanças

remotas porque simplifica o histórico do repositório, evitando commits

de merge.

Se ocorrer algum conflito no momento em que obtemos os novos com-

mits, devemos resolver os problemas editando os arquivos apropriados para

então executar:

$ git add .

$ git rebase --continue

Quando estivermos prontos para fazer uma entrega, podemos marcá-la

criando uma tag e, depois, enviando essa tag para o repositório central:

$ git tag v1.0

$ git push origin --tags

Quando utilizar?

Para equipes pequenas ou na adoção do Git.

Quando trabalhamos em equipes pequenas, com até 5 desenvolvedores,

quanto mais simples o fluxo de trabalho, melhor. Como a equipe é pequena,

muito provavelmente o projeto será pequeno e teremos controle no ritmo das

entregas, não precisando de um fluxo mais poderoso (e complexo).

Esse fluxo é parecido com a maneira como são comumente utilizados sis-

temas de controle de versão centralizados, como o Subversion. Por isso, para

160

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

equipes que estão iniciando com o Git, é o fluxo de mais fácil adoção. A equipe pode focar em aprender os comandos básicos do Git, utilizados para lidar com

um repositório local, para depois partir para fluxos mais avançados.

Vantagens

• A simplicidade desse fluxo permite uma adoção mais tranquila para

quem está começando a utilizar o fluxo. Também há menos complica-

ção para equipes reduzidas.

• É mais fácil de adotar integração contínua, uma prática bastante co-

mum em projetos que usam metodologias ágeis. Nessa prática, o có-

digo deve ser integrado frequentemente, disparando builds e testes au-tomatizados e detectando erros de integração o mais rápido possível.

Nesse fluxo, como toda alteração é comitada na branch master, todo

código compartilhado depois de um push será integrado na master

do repositório central. A cada novo push, o build e os testes automa-

tizados podem ser disparados utilizando esse código integrado. Além

disso, possíveis conflitos são detectados a cada pull.

Desvantagens

• Ao corrigir defeitos urgentes, pode ser que o código de novas funcio-

nalidades ainda em desenvolvimento já tenha sido compartilhado na

branch master do repositório central. Com esse fluxo, fica difícil se-

parar o código da correção do defeito do código das novas funcionali-

dades, o que pode gerar mais defeitos e insatisfação nos clientes.

• Como tudo é comitado na branch master, as entregas são feitas com

todo o código que está no repositório no momento da entrega. Não é

possível entregar só parte das funcionalidades que foram compartilha-

das com o repositório central.

• Há a necessidade de permissão de push para todos os membros da

equipe no repositório central, já que há apenas um repositório remoto.

161

Git e Github

10.2. Utilizando branches por funcionalidade com um repositório central

Casa do Código

Para projetos open source, é algo inviável. Para projetos e equipes muito

grandes, pode também ser um problema.

10.2

Utilizando branches por funcionalidade

com um repositório central

Podemos utilizar branches para isolar o código de novas funcionalidades ou

alterações em funcionalidades existentes. A branch master passa a ser tra-

tada de maneira especial, ficando estável durante todo o desenvolvimento

do projeto. Só quando a funcionalidade estiver pronta, é feito um merge da

branch da funcionalidade na master.

Se for preciso realizar uma correção urgente, pode ser utilizada a branch

master diretamente. Para correções ou alterações mais demoradas, podem

ser criadas branches para segregar os commits da correção.

Essa maneira de trabalhar também é chamada de feature branching

ou topic branching.

Figura 10.2: Repositório central com branches por funcionalidade

Vamos dizer que temos um repositório local clonado a partir de um repo-

sitório do Github, como fizemos anteriormente, com o comando git clone

https://github.com/empresa/projeto.git .

A funcionalidade a ser desenvolvida é a criação de pedidos de nossa loja

162

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

online. Antes de começar, vamos criar a partir da master uma branch cha-

mada pedidos, já mudando pra essa nova branch:

$ git checkout -b pedidos

Já na branch pedidos, podemos começar a trabalhar na funcionalidade,

criando novos arquivos e alterando arquivos existentes. Em seguida, pode-

mos efetuar commits com os comandos que já conhecemos:

$ git add .

$ git commit -m "Tela inicial de pedidos"

Depois de alguns commits, mesmo sem termos terminado a funciona-

lidade de pedidos, podemos compartilhar o código que fizemos enviando-o

para o repositório central. Basta executar:

$ git push origin pedidos

Com o código no repositório central, temos um backup do código e ou-

tros membros da nossa equipe podem obtê-lo para colaborar no desenvol-

vimento da funcionalidade. Tudo isso sem afetar a estabilidade da branch

master.

O restante da nossa equipe, para poder trabalhar na funcionalidade, pre-

cisa obter as últimas alterações do repositório central e, em seguida, criar uma cópia local da branch pedidos. Para isso, deve-se executar:

$ git fetch origin

$ git checkout -t origin/pedidos

Nós e outros membros da equipe podemos fazer commits e, quando apro-

priado, compartilhar o código por meio do repositório central através do co-

mando:

$ git push origin pedidos

Para obtermos o novo código da funcionalidade, ainda na branch

pedidos, devemos fazer:

$ git pull --rebase origin pedidos

163

10.2. Utilizando branches por funcionalidade com um repositório central Casa do Código

No caso de conflitos após o pull com rebase, devemos mesclar os arquivos

manualmente e executar:

$ git add .

$ git rebase --continue

A branch pedidos do repositório central terá o código que integra as

mudanças de todos os membros da equipe. Testadores e outros interessados

podem utilizar o código da branch pedidos para verificar o andamento das

atividades e detectar problemas. Revisar a qualidade do código, por exem-

plo, fica mais fácil porque as mudanças relacionadas à funcionalidade ficam

isoladas.

Caso haja alguma alteração feita diretamente na master, como uma cor-

reção de um defeito urgente, é importante obtê-la no repositório local. Para

isso, continuando na branch pedidos, devemos executar:

$ git pull --rebase origin master

O comando anterior obtém as mudanças da branch remota

origin/master e já faz o rebase na branch atual, que é a pedidos.

Seria equivalente à sequência de comandos:

$ git checkout master

$ git pull origin master

$ git checkout pedidos

$ git rebase master

A diferença é que, nessa última sequência, a branch local master

ficaria atualizada com as últimas mudanças da origin/master.

Quando a equipe estiver satisfeita com a funcionalidade e com o código,

algum dos desenvolvedores pode fazer o merge na branch master.

Antes, é importante nos certificarmos de que a branch master contém

as últimas modificações do repositório central. Podemos utilizar um pull sem

rebase, para deixarmos a master intacta. É tranquilo fazer o pull sem rebase

164

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

nesse caso porque, muito provavelmente, será feito um merge do estilo fast-

forward, já que não é comum fazermos commits diretamente na master.

Na branch pedidos, devemos executar os comandos:

$ git checkout master

$ git pull origin master

$ git merge pedidos

Há casos em que a equipe tem muitos membros e/ou tem problemas

na comunicação. Em vez do merge, talvez seja melhor fazer um git

pull origin pedidos (ainda na branch master). Também seria

realizado um merge, mas com possíveis alterações de última hora.

No caso de conflitos no merge da branch da funcionalidade, devemos re-

solver os conflitos manualmente para depois executar:

$ git add .

$ git commit -m "Resolvendo conflitos no merge de pedidos"

Depois de realizado o merge da branch pedidos com a branch local

master, podemos compartilhar o código executando:

$ git push origin master

No momento adequado, podemos liberar uma nova versão do sistema,

marcando a entrega com uma tag através do comando git tag v1.0

e compartilhando a tag criada com o comando $ git push origin

--tags.

Se não quisermos entregar alguma funcionalidade na nova versão do sis-

tema, basta não fazermos o merge da branch da funcionalidade na branch

master.

165

10.2. Utilizando branches por funcionalidade com um repositório central Casa do Código

Quando utilizar?

Em projetos um pouco maiores, principalmente se já tiverem algumas

entregas feitas. É importante que a equipe tenha familiaridade no uso do Git.

Para projetos que já estão a todo vapor, com melhorias e correções que

precisam ser feitas de imediato, isolar código que ainda está sendo desenvol-

vimento é algo importante. Com o uso de uma branch para cada funciona-

lidade, podemos organizar o desenvolvimento das novas funcionalidades de

maneira a não afetar demandas urgentes.

Para que essa fluxo seja usado com fluência, é preciso que os desenvolve-

dores já estejam confortáveis com o uso básico do Git.

Vantagens

• Podemos isolar código mais estável na branch master, facilitando a

realização de melhorias e correções imediatas.

• Revisões da qualidade do novo código que implementa uma funciona-

lidade podem ser feitas analisando os commits da branch da funciona-

lidade.

• Pode ser entregue apenas parte das funcionalidades que estão sendo

desenvolvidas, possibilitando mudanças mais tranquilas na estratégia

de negócio do nosso cliente.

Desvantagens

• Como a equipe precisa dominar o Git razoavelmente bem, o uso desse

fluxo no início da adoção do Git fica dificultado.

• Como trabalhamos com um repositório central, ainda há a necessidade

de permissão de push para todos os membros da equipe. Por isso, esse

fluxo pode ser problemático para grandes equipes e torna-se inviável

para projetos open source.

• O código de uma funcionalidade só é efetivamente integrado com ou-

tras mudanças no momento do merge final com a branch master.

166

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

Com outras funcionalidades em desenvolvimento, possíveis conflitos

entre o código das funcionalidades só serão descobertos tardiamente,

ao mesclarmos todas as branches.

• Realizar integração contínua, descobrindo problemas no código e nas

funcionalidades rapidamente, fica mais difícil. A grande vantagem

desse fluxo, que é a de isolar código das funcionalidades, torna-se a pior

desvantagem sob a ótica de integração contínua. Por isso, especialistas

em integração contínua não recomendam o uso de branches por fun-

cionalidade, favorecendo o isolamento das funcionalidades com uma

arquitetura mais modular, utilizando abstrações para grandes altera-

ções no código ( branch by abstraction) e configurações para desabilitar funcionalidades novas ( feature toggles).

10.3

Utilizando branches por etapa de desen-

volvimento com um repositório central

Ao comitarmos um novo código em uma branch separada para uma funcio-

nalidade específica, mantemos a branch local master estável, mas corremos

o risco de adiar demais a integração entre os códigos das novas funcionalida-

des. Essa demora pode levar a defeitos que deixariam nossos clientes insatis-

feitos.

Para evitar a integração tardia das funcionalidades, poderíamos ter uma

branch para código ainda em desenvolvimento, chamada desenv. Seria uma branch de longo prazo, que existiria enquanto o projeto estiver sendo desenvolvido. A branch master teria código já pronto pra ser entregue. Já a branch desenv teria código para a próxima entrega. Quando tivermos um ponto es-tável no novo código, faríamos um merge da desenv na master.

Podemos continuar utilizando branches por funcionalidade mas, agora, criando-as a partir da branch desenv. Periodicamente, poderíamos efetuar um merge precoce das branches das funcionalidades, mesmo antes de

o código estar totalmente finalizado. Assim, evitaríamos a integração tardia e deixaríamos de afetar a branch master.

Seria interessante termos branches de release, para comitarmos código re-ferente a uma determinada entrega, como correções de última hora de pe-

167

Git e Github

Git e Github

10.3. Utilizando branches por etapa de desenvolvimento com um repositório central Casa do Código quenos bugs descobertos logo antes de liberar uma versão. Teriam nomes

como release1.1 ou release2.0 e seriam criadas a partir da desenv.

Também poderiam ser comitados nessas branches de release códigos neces-

sários para preparar uma entrega, como arquivos de versão e release notes.

Seriam branches de curto prazo, que poderiam ser deletadas quando não fize-

rem mais sentido. Os commits das correções feitas nessas branches de release

precisariam ser aplicados na master e na desenv, através de um merge.

Para bugs urgentes, que afetam versões em produção, poderíamos criar

uma branch de hotfix. Se estivermos com a versão 1.0 em produção e acontecer um defeito que pode ser corrigido de maneira imediata, poderíamos criar

a branch hotfix-1.0.1 a partir da master. A correção seria feita nessa

nova branch e, quando finalizada, faríamos um merge na branch master.

Também é importante efetuarmos um merge na branch desenv, para obter-

mos a correção do defeito. Uma branch de hotfix é de curto prazo e, depois

de feito o merge, podemos apagá-la.

Figura 10.3: Repositório central com branches por etapa de desenvolvimento

Como nos fluxos de trabalho anteriores, cada desenvolvedor deve fazer

o clone do repositório central executando, por exemplo, git clone https:

168

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

//github.com/empresa/projeto.git .

Logo no início do projeto, ou em algum outro momento apropriado, po-

demos criar uma branch local chamada desenv, a partir da master, para

comitarmos código ainda em desenvolvimento. Também é importante que

essa branch exista no repositório central. Para isso, um dos desenvolvedores

deve executar:

$ git branch desenv

$ git push origin desenv

Para começarem a trabalhar na branch

desenv, os desenvolvedo-

res precisam criar uma branch local que aponta para a branch remota

origin/desenv do repositório central. Para isso, devem executar:

$ git fetch origin

$ git checkout -t origin/desenv

Para trabalharmos em uma nova funcionalidade, por exemplo de esto-

que, podemos criar uma branch para essa funcionalidade a partir da branch

desenv, executando:

$ git checkout -b estoque desenv

Podemos efetuar alguns commits e, depois, compartilhar a branch com a

nossa equipe, através do comando git push origin estoque.

No momento adequado, devemos fazer o merge da funcionalidade

estoque na branch desenv, integrando-a com as outras funcionalidades

que já foram mescladas com desenv. Porém, antes do merge, é impor-

tante obtermos as últimas mudanças em desenv feitas pelos outros mem-

bros da nossa equipe através de um pull de origin/desenv. Depois do

merge, podemos compartilhar a branch desenv que já terá os últimos com-

mits da estoque. Para fazer isso tudo, considerando que estamos na branch

estoque, devemos executar:

$ git pull origin desenv

$ git checkout desenv

$ git merge estoque

$ git push origin desenv

169

10.3. Utilizando branches por etapa de desenvolvimento com um repositório central Casa do Código Podemos repetir os comandos anteriores sempre que quisermos integrar

a branch da funcionalidade estoque com a branch desenv. Ao termi-

narmos a funcionalidade, devemos fazer um último merge em desenv. Se

quisermos, podemos deletar nossa branch local estoque com o comando

git branch -d estoque.

Quando estivermos satisfeitos com as funcionalidades que foram mescla-

das na branch desenv, podemos criar uma branch para a próxima release

com um nome como release-1.0 a partir da desenv. Para isso, devemos

executar:

$ git checkout -b release-1.0 desenv

Na branch release-1.0 podemos comitar, por exemplo, um arquivo

listando as novas funcionalidades (o release notes), modificar arquivos para

preparar a entrega. Além disso, podemos comitar correções de pequenos bugs

que descobrirmos antes de liberar a nova versão. Enquanto isso, outros de-

senvolvedores podem começar a trabalhar nas funcionalidades da próxima

entrega, comitando na branch desenv.

Para fecharmos a nova versão, devemos fazer o merge da nossa branch

release-1.0 na branch master. Para isso, devemos executar os coman-

dos:

$ git checkout master

$ git merge release-1.0

$ git push origin master

Também é importante, ainda na branch master, marcamos a nova ver-

são com uma tag:

$ git tag v1.0

$ git push origin --tags

Se tivermos comitado correções de bugs na branch release-1.0, é im-

portante aplicarmos o código corrigido na branch desenv, através de um

merge. Para isso, devemos executar:

$ git checkout desenv

$ git merge release-1.0

$ git push origin desenv

170

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

Se quisermos, podemos deletar a branch local release-1.0 através do

comando git branch -d release-1.0.

Caso aconteça um bug em produção que deve ser corrigido imediata-

mente, podemos criar uma branch para trabalharmos na correção. Se a versão

atual for a 1.0, poderíamos chamá-la de hotfix-1.0.1. Já que a branch

master contém o código da última versão liberada para produção, devemos

criar a nova branch de correção a partir da master. Para criá-la, devemos executar:

$ git checkout -b hotfix-1.0.1 master

Depois de descobrimos a causa do defeito e termos comitado o código

com a correção, podemos fazer o merge da branch hotfix-1.0.1 na

branch master. Então, devemos executar:

$ git checkout master

$ git merge hotfix-1.0.1

$ git tag 1.0.1

Não podemos esquecer de aplicar a correção do defeito na branch

desenv, que contém o código que está sendo desenvolvido. Podemos fazer

isso executando:

$ git checkout desenv

$ git merge hotfix-1.0.1

Feitos os merges da branch hotfix-1.0.1 nas branches master

e

desenv podemos apagá-la com o comando

git branch -d

hotfix-1.0.1.

Quando utilizar?

Em projetos complexos, que já têm várias entregas e com diversas novas

funcionalidades em desenvolvimento. A equipe já deve ter um bom domínio

do Git.

Esse fluxo que usa branches por etapa de desenvolvimento deixa o tra-

balho bastante organizado. A branch de desenvolvimento serve como uma

branch de integração para as diferentes branches de funcionalidade. Já a

171

10.3. Utilizando branches por etapa de desenvolvimento com um repositório central Casa do Código branch master não é afetada pelo dia a dia, ficando bastante estável porque

só tem novo código nos momentos de entrega e correções urgentes. Ajustes

finos e código para preparar a entrega tem seu lugar, nas branches de release.

Bugs urgentes podem ser corrigidos nas branches de hotfix.

Devido à complexidade no uso das variadas branches, para trabalhar

dessa maneira, o domínio dos conceitos do Git pelos membros da equipe é

bastante importante.

Um fluxo parecido com esse é chamado por alguns de Gitflow, mas não

é um fluxo “oficial”, apesar do apelido. Foi descrito por Vincent Driessen em 2010, em seu blog: http://nvie.com/posts/a-successful-git-branching-model/

Vantagens

• A branch master fica bem estável, podendo ser utilizada até para dis-

parar implantações automáticas do software.

• Conseguimos descobrir conflitos ou erros entre códigos das novas fun-

cionalidades mais cedo se mesclarmos as branches das funcionalidades

na branch desenv periodicamente.

• Como utilizamos branches por funcionalidade, revisões do código das

funcionalidade são fáceis de fazer.

• Podemos entregar apenas parte das funcionalidades, bastando deixar

o código isolado na branch da funcionalidade que não entrará na nova

versão. Porém, se fizermos integrações periódicas em desenv, isso

pode ser um desafio.

• Correções urgentes têm um lugar definido nesse fluxo: as branches de

hotfix.

• Trabalho relacionado com a preparação de uma nova versão e ajustes

finos antes da liberação podem ser feitos em uma branch de release.

172

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

Desvantagens

• A equipe precisa de um bom domínio do Git.

• É um fluxo complexo. Por isso, é melhor utilizar esse fluxo em projetos

grandes e/ou quando o projeto está a todo vapor. Aí, a organização do

trabalho compensa a complexidade.

• Todos os membros da nossa equipe precisam de permissão de push no

repositório central, inviabilizando o uso em projetos open source e em

equipes grandes.

• Mesmo com a branch desenv, que serve como uma branch de inte-

gração, só integraremos efetivamente o código nos momentos em que

fizermos o merge das branches das funcionalidades na desenv. Por

isso, especialistas em integração contínua ainda criticam o uso desse

fluxo, argumentando que essa integração ainda é feita tarde demais. Se

esse fluxo for utilizado sem branches por funcionalidade, a situação é

melhorada, mas perderíamos as vantagens de isolarmos o código das

funcionalidades em desenvolvimento.

10.4

Colaborando com projetos open source

com Fork e Pull Request

Utilizar um repositório central é algo bastante comum para projetos internos

de empresas. Já para projetos open source precisamos de uma maneira mais

flexível, que não necessite de permissões de push para as dezenas ou centenas de colabores do nosso projeto.

Serviços como o Github permitem que um colaborador faça forks de um

projeto, criando uma cópia pública do repositório. Essa cópia fica publicada

na web, servindo como o repositório remoto do colaborador. Assim, os cola-

boradores podem comitar mudanças em suas cópias do projeto, sem precisar

de permissões de push para o projeto original.

O colaborador pode criar um repositório local que aponta para o seu re-

positório remoto. Depois de comitar algumas modificações, pode ser feito o

173

Git e Github

10.4. Colaborando com projetos open source com Fork e Pull Request

Casa do Código

push para sua cópia do projeto. Se desejar, pode até liberar acesso de push ao seu repositório remoto para outras pessoas colaborarem na sua cópia.

Quando o colaborador estiver satisfeito com seu código, é possível enviar

um pull request para o projeto principal. O mantenedor do projeto, a pessoa

responsável pelo repositório original, pode revisar a cópia pública do colaborador e sugerir melhorias no código.

Quando o mantenedor estiver satisfeito, é possível aceitar o pull request,

aplicando as mudanças no repositório original.

É interessante que o colaborador faça seus commits em uma branch de

funcionalidade, separada da master. Dessa maneira, na hora de aplicar o

pull request, o mantenedor do projeto original teria os commits do colabora-

dor em uma branch separada, podendo comitar melhorias. Também é possí-

vel utilizar branches por etapa de desenvolvimento para projetos open source

maiores.

Figura 10.4: Fork e Pull Request

Quando utilizar?

Em projetos open source de pequeno ou médio porte.

Para projeto open source muito grandes, com milhares de colaboradores,

o número de pull requests seria tão grande que tornaria inviável o uso desse

fluxo.

174

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

Também é possível utilizar esse modelo em projetos de empresas, no caso

de projetos que tenham colaboradores externos e/ou não confiáveis.

Vantagens

• Não é necessário dar permissões de push para todos os colaboradores

do projeto.

• É um bom modelo para projetos open source de pequeno ou médio

porte.

Desvantagens

• A integração das mudanças dos forks é feita de maneira bem tardia.

Possíveis conflitos e/ou erros seriam descobertos apenas na hora de

aplicarmos o pull request.

• Como só há um repositório original com, provavelmente apenas um

mantenedor, o número de pull requests poderia ir acumulando. Para

projetos open source muito grandes é necessária uma outra abordagem.

10.5

Organizando projetos open source gigan-

tescos com Ditador e Tenentes

Para projetos open source como o kernel do Linux, que tem milhões de linhas

de código e milhares de colaboradores, utilizar o fluxo de trabalho anterior

torna-se inviável.

O número de pull requests criados seria enorme. Com apenas um man-

tenedor, seria impossível dar vazão às colaborações.

Para esse tipo de projeto, o mantenedor do projeto original pode ficar

como um ditador benevolente, que tem a última palavra sobre o código do

projeto mas que aceitas sugestões. No caso do Linux, o ditador é Linus Tor-

valds.

O ditador elegeria colaboradores que se mostraram competentes no pas-

sado para manter repositórios públicos com cópias do projeto. Essas cópias,

175

10.5. Organizando projetos open source gigantescos com Ditador e Tenentes Casa do Código

em geral, teriam um foco em algum módulo específico do projeto. Os eleitos

pelo ditador serviriam como tenentes, recebendo pull requests dos milhares

de outros colaboradores e revisando o código, filtrando apenas as colabora-

ções realmente boas.

Um novo colaborador teria de escolher um dos repositórios dos tenentes

para fazer seu fork do projeto, provavelmente considerando o módulo em que

quer colaborar. Depois de feitos seus commits, faria o push para seu reposi-

tório. Então, poderia fazer um pull request para seu tenente, que faria uma

revisão e daria um feedback.

Quando apropriado, o tenente faria pull requests para o repositório do

ditador, sinalizando um pacote interessante de mudanças.

Na verdade, o kernel do Linux não utiliza pull requests e nem o

Github. No Github, há uma cópia só para leitura do repositório origi-

nal.

Os commits são enviados dos colaboradores para os tenentes e dos

tenentes para o ditador Linus por e-mail.

É usado o comando git format-patch para criar um arquivo

.patch com um conjunto de commits. Os patches são enviados por

e-mail com o comando git send-mail. Então, deve ser utilizado o

comando git am para aplicar os commits recebidos por e-mail.

É interessante utilizar branches por funcionalidade e por etapa de desen-

volvimento ao utilizar esse fluxo de trabalho.

176

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 10. Maneiras de trabalhar com Git

Figura 10.5: Ditador e Tenentes

Quando utilizar?

Para projetos open source grandes, com milhares de colaboradores.

Vantagens

• Assim como no fluxo anterior, não são necessárias permissões de push

para o repositório original, do ditador, nem dos tenentes.

• É um fluxo que funciona bem em projetos open source de grande porte.

Desvantagens

• É um fluxo de trabalho extremamente complicado, que requer muita

familiaridade com o Git.

• A integração é feita de maneira tardia, só quando for aplicado o pull

request (ou os patches recebidos por e-mail).

177

Capítulo 11

Apêndice GitHub no Windows

Conforme visto nos capítulos anteriores, neste livro utilizamos o Git via linha de comando, pelo Terminal, no caso do Linux e Mac, ou pelo Git Bash, no caso do Windows.

Embora seja possível fazer tudo via linha de comando, muitos usuários do

Git, principalmente os que utilizam o Windows e não têm o hábito de acessar

o prompt de comandos, não gostam dessa abordagem, preferindo utilizá-lo

com o auxílio de alguma aplicação visual.

Existem algumas aplicações visuais para o Git no Windows, dentre elas o

GitHub for Windows, criada pelo pessoal do GitHub.

Neste capítulo veremos como instalar e utilizar o GitHub for Windows.

Git e Github

11.1. Instalando o GitHub for Windows

Casa do Código

11.1

Instalando o GitHub for Windows

Primeiramente devemos baixar a aplicação, o que fazemos acessando o site

http://windows.github.com e clicando no botão Download GitHub for Win-

dows:

Figura 11.1: Página do GitHub for Windows com o botão para download

Versões suportadas

O GitHub for Windows funciona apenas no Windows Vista, Win-

dows 7 e Windows 8.

Após o download do arquivo, devemos executá-lo dando um duplo

clique, e será exibida a tela de instalação:

180

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.2: Tela de instalação

Após a instalação ser concluída veremos uma tela onde devemos informar

nosso usuário e senha cadastrados no GitHub, e clicar no botão Log in: 181

Git e Github

11.1. Instalando o GitHub for Windows

Casa do Código

Figura 11.3: Tela onde informamos os dados de login do GitHub

Na próxima tela devemos informar o Nome e o E-mail do nosso usuário Git e clicar no botão continue. Esse passo é equivalente a executar os comandos git config --global user.name e git config --global

user.email.

182

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.4: Tela de configuração dos dados do usuário Git

Por fim, veremos a tela onde serão listados os repositórios Git encontra-

dos em nosso computador, se houver, ou uma mensagem informando que não

foram encontrados repositórios. No nosso caso clicaremos no botão Skip, pois vamos adicionar os repositórios posteriormente.

183

Git e Github

11.1. Instalando o GitHub for Windows

Casa do Código

Figura 11.5: Tela listando os repositórios Git

Após clicar no botão Skip, seremos direcionados para a tela principal da

aplicação, conhecida como Dashboard:

184

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.6: Tela de dashboard

Neste ponto já temos a aplicação instalada, e se verificarmos a Área de

Trabalho veremos que foram adicionados dois novos atalhos, sendo um

chamado GitHub, que serve para executar o GitHub for Windows, e outro

chamado Git Shell, para executar o Git via prompt de comando:

185

Git e Github

11.2. Criando um novo repositório

Casa do Código

Figura 11.7: Área de trabalho com os novos atalhos

O GitHub for Windows também criará um novo diretório chamado

GitHub, localizado na pasta Documentos do usuário. Esse é o diretório

padrão onde os novos repositórios serão criados.

11.2

Criando um novo repositório

Agora que já temos o GitHub for Windows instalado e configurado, podemos

criar um novo repositório Git. Para isto, basta clicar no botão + localizado na tela principal da aplicação:

186

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.8: Tela de criação de novo repositório

Devemos preencher o nome do repositório no campo Name, e no campo

Local path escolher o diretório onde o repositório deverá ser criado, ou

deixar preenchido com o diretório padrão.

Note que há também um campo chamado Git ignore, onde podemos es-

colher a linguagem de programação utilizada no projeto, dentre as opções

disponíveis, e com isto o arquivo .gitignore será criado automaticamente.

Após preencher os campos, devemos clicar no botão Create repository,

aguardar a criação do repositório e então veremos a tela Dashboard listando

o novo repositório:

187

Git e Github

11.3. Efetuando commits no repositório

Casa do Código

Figura 11.9: Tela dashboard com o novo repositório

Repare que a tela agora está dividida em três colunas, onde na primeira

são listados os repositórios Git, na segunda os commits do repositório junta-

mente com um formulário para efetuar um novo commit, e na última coluna

são exibidos os arquivos do repositório.

11.3

Efetuando commits no repositório

Vamos agora criar um novo arquivo no repositório e em seguida efetuar um

commit. Para isso, acesse o diretório do repositório e crie um novo arquivo

chamado teste.html com o seguinte conteúdo:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8"/>

<title>GitHub for Windows</title>

</head>

<body>

<h1>Bem vindo!</h1>

</body>

188

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

</html>

Agora ao voltar para o GitHub for Windows veremos o novo arquivo

sendo listado:

Figura 11.10: Tela dashboard listando o novo arquivo

Para efetuar o commit do arquivo, basta digitar a mensagem do commit

no campo Summary e, opcionalmente, preencher uma descrição mais deta-

lhada do commit no campo Description, e então efetuar o commit clicando no botão commit to master:

189

Git e Github

11.4. Detalhando os commits

Casa do Código

Figura 11.11: Efetuando o primeiro commit

Repare que na listagem dos arquivos é possível selecionar quais dos ar-

quivos serão comitados.

11.4

Detalhando os commits

Vamos efetuar um novo commit no repositório. Para isso, altere o arquivo

teste.html adicionando o seguinte conteúdo:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8"/>

<title>GitHub for Windows</title>

</head>

<body>

<h1>Bem vindo!</h1>

<p>Alteracao qualquer</p>

</body>

</html>

E após isto registre a alteração com um novo commit:

190

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.12: Registrando o novo commit

Após efetuar o commit repare que o mesmo é exibido na listagem de com-

mits, onde é exibida a mensagem, o autor e a data em que cada commit foi

realizado.

Ao clicar em algum dos commits veremos as alterações realizadas naquele

commit em específico:

Figura 11.13: Detalhamento das modificações realizadas no commit

191

Git e Github

11.4. Detalhando os commits

Casa do Código

É possível reverter algum dos commits facilmente, bastando para isso cli-

car no commit, e na tela de detalhamento do commit clicar no botão revert: Figura 11.14: Botão para reverter o commit

Após clicar no botão revert um novo commit será efetuado automatica-

mente, desfazendo as alterações do commit selecionado:

192

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.15: Tela detalhando o commit de revert

11.5

Enviando o repositório para o GitHub

O GitHub for Windows possui integração com o GitHub, e nos permite com

isto o envio do nosso repositório local para o GitHub.

Para enviar o repositório para o GitHub basta clicar no botão Publish

Repository:

Figura 11.16: Botão para enviar o repositório para o GitHub

Ao clicar no botão será exibida uma tela onde podemos preencher uma

descrição detalhada do repositório, e escolher se o repositório deverá ser

193

Git e Github

11.5. Enviando o repositório para o GitHub

Casa do Código

privado, caso nosso usuário tenha cadastro em algum dos planos pagos do

GitHub.

Após preencher as informações basta clicar no botão Publish moveis-

windows e nosso repositório será enviado para o GitHub:

Figura 11.17: Tela com detalhes do repositório a ser enviado para o GitHub

Se acessarmos a página do nosso usuário no GitHub, veremos que o re-

positório foi enviado corretamente:

194

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.18: Tela do novo repositório no GitHub

Agora sempre que precisarmos sincronizar nossas alterações locais com

o repositório remoto no GitHub, basta clicarmos no botão Sync:

Figura 11.19: Botão para sincronizar o repositório local com o GitHub

11.6

Trabalhando com branches

Também é possível trabalhar com branches no GitHub for Windows. Na

tela principal existe um botao onde podemos gerenciar as branches do repo-

sitório:

195

Git e Github

Git e Github

11.6. Trabalhando com branches

Casa do Código

Figura 11.20: Botão para gerenciar as branches

Vamos criar uma nova branch chamada testes, clicando no botão citado

anteriormente, digitando o nome testes no campo de texto da tela, e confirmar clicando no botão Create testes:

Figura 11.21: Tela de criação da nova branch

Após a nova branch ser criada ela já é selecionada, e se clicarmos nova-

mente no botão para gerenciar as branches, veremos que agora temos duas

branches no repositório:

196

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.22: Tela listando as branches do repositório

Vamos alterar novamente o arquivo teste.html e em seguida efetuar

um novo commit, mas desta vez o commit deverá ser realizado na branch

testes.

Altere o arquivo teste.html adicionando o seguinte conteúdo:

<!DOCTYPE html>

<html>

<head>

<meta charset="utf-8"/>

<title>GitHub for Windows</title>

</head>

<body>

<h1>Bem vindo!</h1>

<p>TESTE!</p>

<h2>Trabalhando com branches</h2>

</body>

</html>

E então registre a alteração com um novo commit, certificando-se antes

que a branch testes está selecionada:

197

Git e Github

Git e Github

11.6. Trabalhando com branches

Casa do Código

Figura 11.23: Tela para efetuar o novo commit

Repare que após efetuar o commit o mesmo é exibido na listagem de com-

mits da branch testes:

Figura 11.24: Tela listando os commits da branch testes

Mas ao mudarmos para a branch master o commit será escondido, uma

vez que ele foi efetuado apenas na branch testes:

198

Git e Github

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.25: Tela listando os commits da branch master

Efetuando o merge dos commits

No GitHub for Windows também é possível efetuar merges, para mesclar

as alterações de duas branches distintas.

Vamos efetuar o merge da branch testes na branch master. Para isso,

devemos clicar no botão de gerenciar as branches, e na tela que será aberta

clicar no botão Manage:

Figura 11.26: Tela com botão Manage

Ao clicar neste botão veremos a tela de gerenciamento das branches do

repositório, na qual serão listadas todas as branches existentes, e na parte in-199

Git e Github

11.6. Trabalhando com branches

Casa do Código

ferior existem dois campos utilizados para fazer o merge:

Figura 11.27: Tela de gerenciamento de branches

Para realizar o merge devemos arrastar e soltar as branches desejadas nos

campos citados anteriormente, sendo que no nosso caso a branch testes

deve ser arrastada para o primeiro campo e a master para o segundo

campo, pois queremos fazer o merge da branch testes na branch master:

200

Git e Github

Casa do Código

Capítulo 11. Apêndice GitHub no Windows

Figura 11.28: Campos para seleção das branches

Após arrastar as branches para os campos devemos clicar no botão Merge

para confirmar a operação, e uma mensagem será exibida ao final do processo.

Agora se voltarmos para a tela principal e mudarmos para a branch

master, veremos que o commit efetuado na branch teste será exibido na

listagem, confirmando assim que o merge foi efetuado com sucesso.

201

Índice Remissivo

Casa do Código

Índice Remissivo

.gitignore, 27

git mergetool, 152

git mv, 49

Branch, 94

git pull, 67, 130

Branch remota, 114

git pull –rebase, 130

Branches por etapa de desenvolvi- git push, 15, 65

mento, 167

git rebase, 108

Branches por funcionalidade, 162

git rebase –continue, 150

Configurações básicas, 6

git remote, 15, 64

Conflito, 143

git remote add, 63

git remote remove, 64

Ditador / Tenentes, 175

git remote rename, 64

git remote set-url, 64

Feature branches, 162

git reset, 54

fork, 89

git revert, 56

Fork / Pull Request, 173

git rm, 47

Git, 3

git status, 9, 22

git add, 9, 22

git tag, 138

git branch, 94

GitHub, 12, 72

git branch -r, 114

GitHub for Windows, 179

git checkout, 52, 98

Instalação, 5

git clone, 17, 66

git commit, 10, 29

Open Source, 173, 175

git diff, 39

git fetch, 123

Protocolos, 68

git init, 8, 20

pull request, 89

git log, 11, 36

Repositório remoto, 62

git merge, 106

202

Casa do Código

Índice Remissivo

serviços de hospedagem de projetos,

72

Sistemas de Controle de Versão, 2

Stage, 24

Topic branches, 162

203



home | my bookshelf | | Git e Github |     цвет текста   цвет фона   размер шрифта   сохранить книгу

Текст книги загружен, загружаются изображения



Оцените эту книгу